Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Propostas da vereadora Lenir de Assis têm objetivo de enfrentar a fome, combater desperdício de alimentos e fortalecer iniciativas comunitárias

A vereadora Lenir de Assis (Partido dos Trabalhadores) protocolou na terça-feira  (dia 27), na Câmara Municipal, projetos de leis que visam a segurança alimentar em Londrina. O foco dos projetos passa pelo enfrentamento à fome e o combate ao desperdício de alimentos. Para a vereadora, a proposta garante segurança aos estabelecimentos comerciais na doação e contribui para combater a fome na cidade.

Lenir de Assis ressalta que esse é um momento de crise sanitária, econômica e social.  “O combate à fome deve priorizar alimentos saudáveis produzidos com o menor impacto no ambiente e, ao mesmo tempo, fortalecer iniciativas comunitárias”, afirma a vereadora. “É preciso reduzir o desperdício de alimentos.”

O Brasil saiu do mapa da Fome das Nações Unidas em 2014, a partir de um relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). A organização analisou dois períodos para levantar dados da subalimentação no mundo: 2002 a 2013 e de 1990 a 2014.

“Segundo os dados analisados, entre 2002 e 2013, caiu em 82% a população de brasileiros em situação de subalimentação. A organização aponta também que, entre 1990 e 2014, o percentual de queda foi de 84,7%.” A informação consta da página da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, do Ministério da Cidadania, que pode ser acessada a partir deste link: https://bit.ly/2QvZONt.

No entanto, o Brasil está voltando ao Mapa da Fome. A vereadora Lenir de Assis cita o relatório “O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Mundo”, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Entre os anos de 2017 e 2020, cerca de “43,1 milhões de pessoas viviam em situação de insegurança alimentar no Brasil.” Com a pandemia de Covid-19, essa situação agravou-se ainda mais.

Lenir de Assis lembra que “a alimentação adequada é um direito fundamental do ser humano, inerente à dignidade da pessoa humana e indispensável à realização dos demais direitos consagrados na Constituição”. A regulamentação desse direito está na Lei Federal nº 12.346 de 2006, que criou o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Segundo a vereadora, em que pese o avanço normativo consagrado, que é dever do poder público adotar medidas de combate à insegurança alimentar, ainda há um descompasso quando se compara a previsão legal com a realidade. “Por isso, é necessário pensar estratégias que visem combater o desperdício de alimentos e fazer o enfrentamento da fome, que atinge milhões de pessoas.”

Reinaldo C. Zanardi/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.