Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Licitação foi vencida pela MEP Arquitetura e Planejamento. Valor máximo para o serviço era de R$ 281.287,06, mas a Câmara pagará R$ 255 mil à empresa

A Câmara Municipal de Londrina conseguiu uma economia de aproximadamente R$ 26 mil no contrato para a elaboração dos projetos arquitetônico e complementares de reforma e adequação do seu prédio, cuja licitação foi vencida pela empresa londrinense MEP Arquitetura e Planejamento. O recurso máximo para a prestação do serviço era de R$ 281.287,06, mas o Legislativo conseguiu negociar o valor e pagará R$ 255 mil à vencedora. O contrato foi assinado ontem (8), na sala da Presidência, com a presença do presidente da Câmara, vereador Ailton Nantes (PP), do diretor do Legislativo, Mark de Almeida, e dos diretores da MEP Carlos Eduardo Pereira Marchesi e Ana Carolina Potier.

A partir do recebimento da ordem de serviço, a empresa terá 180 dias corridos para entregar seis projetos: arquitetônico; de sinalização e comunicação visual; estrutural; de instalações hidrossanitárias e de prevenção contra incêndios; de instalações elétricas; e de instalações de ar-condicionado. Os projetos incluirão a reforma dos quase 3 mil metros quadrados do prédio da Câmara com possibilidade de ampliação de uma área de 250 metros quadrados. “Com um prédio de 42 anos, percebemos que a Câmara estava precisando de uma atenção especial, principalmente por questões de segurança. Há rachaduras, infiltrações e a fiação está quase totalmente comprometida. Queremos fazer algo consistente, que tenha o menor custo possível, mas que dê segurança não só aos servidores, mas aos munícipes que frequentam a Casa”, afirmou Ailton Nantes.

Somente com a entrega dos projetos será possível prever o valor da execução das obras. “Mesmo que não dê tempo de fazer a reforma nessa Legislatura, nossa intenção é iniciar o processo”, disse o presidente da Câmara. Tanto os projetos quanto a reforma do prédio serão pagos com valores provenientes do Fundo Especial da Câmara criado pela lei nº 10.842/2009 justamente para assegurar recursos para as obras e para a aquisição de mobiliários. O Fundo recebe recursos anuais do próprio orçamento do Legislativo (resultantes da economia feita pela Casa) e conta hoje com aproximadamente R$ 21 milhões.

A vencedora

Fundada em 2004, a MEP tem atuação nacional, com experiência principalmente na elaboração de projetos de arquitetura e engenharia na área da saúde. “Em Londrina temos alguns projetos que já foram executados, como as duas Unidades de Pronto Atendimento (UPA do Jardim Sabará e UPA Jardim do Sol), o Centro Odontológico Universitário (COU), no câmpus da UEL, e a maternidade do Hospital Universitário (HU), que está para ser inaugurada”, exemplificou o arquiteto Carlos Eduardo Pereira Marchesi.

Os projetos de reforma do prédio da Câmara serão coordenados pela arquiteta Ana Carolina Potier. “Inicialmente temos de vir ao prédio, conversar com todos, fazer levantamentos no local, para podermos identificar as necessidades”, explicou. Os projetos serão acompanhados e aprovados por profissional de Engenharia da Prefeitura de Londrina (fiscal técnico) e por um representante da Câmara (fiscal administrativo). O pagamento à MEP será feito até 15 dias úteis após o recebimento dos trabalhos.

Asimp/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios