Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná

Coordenado pela Comissão de Administração, Serviços Públicos e Fiscalização, evento será na segunda-feira (15), às 16h

Os vereadores da Câmara Municipal de Londrina (CML) que integram a Comissão de Administração, Serviços Públicos e Fiscalização realizarão na segunda-feira (15), às 16 horas, reunião pública para debater o plano de retorno às aulas em Londrina nas escolas municipais. O encontro será transmitido ao vivo pelos canais da CML no Facebook e no Youtube. "Nesse debate sobre voltar ou não voltar a aula presencial, com liminar e derrubada de liminar na Justiça, o prefeito teve uma posição muito firme no tocante ao não retorno das aulas. Mas pouco se questionou se as escolas municipais estariam preparadas ou não para um eventual retorno. O que vamos discutir não é se deve ou não haver o retorno das aulas presenciais, mas sim como está o preparo para esse eventual retorno, que a gente não sabe quando será", explicou o presidente da comissão, vereador Matheus Thum (PP). O grupo é formado também pelos vereadores Chavão (Patriota), como vice-presidente, e Madureira (PTB), como membro.

A reunião da Comissão de Administração terá como convidada a secretária municipal de Educação, Maria Tereza Paschoal de Moraes. De acordo com Thum, o objetivo é conhecer o plano de retorno coordenado pela pasta e verificar não apenas o planejamento físico e material das escolas como as estratégias pedagógicas pensadas para a volta. "Queremos que a secretária mostre se existe um plano não só de retomada presencial das aulas, mas de retomada pedagógica. Muitas crianças ficaram para trás na questão do aprendizado", afirmou.

Histórico

As aulas presenciais, nas escolas públicas e particulares de educação básica, estão suspensas em Londrina desde março de 2020, por meio de decretos municipais, por causa da pandemia do novo coronavírus. Em outubro do ano passado, uma liminar obtida pelo Sindicato das Escolas Particulares de Londrina (Sinepe) permitiu a retomada gradual das aulas em instituições de ensino particulares filiadas à instituição, decisão que foi derrubada no mês seguinte pela Justiça na avaliação do mérito. Outra reviravolta judicial ocorreu no início deste ano. No começo de fevereiro, a juíza Isabele Papafanurakis Ferreira Noronha, da Vara da Infância e da Juventude de Londrina, deferiu liminarmente pedido do Ministério Público do Paraná para anular o decreto municipal nº. 85/2021, e determinou o retorno imediato das aulas presenciais, nas redes pública e privada de educação básica de Londrina. A liminar foi suspensa dias depois pela 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná.

Marcela Campos/Asimp/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios