Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Câmara Municipal de Londrina (CML) promove nesta quarta-feira (9), às 17 horas, reunião pública on-line para debater o projeto de lei (PL) nº 89/2020, do vereador Roberto Fú (PDT), que limita a 50% a ocupação no transporte público coletivo em Londrina enquanto durar a pandemia da covid-19. A reunião será coordenada pela Comissão de Desenvolvimento Econômico e Agronegócio, composta pelos vereadores Nantes (PP), como presidente; Beto Cambará (Podemos), como vice-presidente; e Giovani Mattos (PSC), como membro. Foram convidados para o evento representantes da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), da Secretaria Municipal de Saúde de Londrina e das empresas de ônibus que operam na cidade. O encontro terá transmissão em tempo real pelos canais da CML no Facebook e Youtube.

O PL nº 89/2020 determina que as concessionárias deverão oferecer ônibus suficientes para atender a todas as linhas e horários, principalmente nos períodos de maior movimento, sob pena de multa. O vereador Roberto Fú justifica que a medida é necessária para evitar que os usuários sejam infectados pelo novo coronavírus em virtude da superlotação nos coletivos. Acompanhe aqui a tramitação do projeto.

A Comissão de Justiça, Legislação e Redação da Câmara apresentou voto contrário à proposta, seguindo parecer da Assessoria Jurídica do Legislativo, que considerou que é atribuição exclusiva do prefeito estabelecer restrições no serviço de transporte público e que a limitação pode comprometer o equilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão. O vereador autor do PL apresentou recurso contra a decisão e o recurso foi aprovado em plenário no dia 9 de fevereiro de 2021. Com isso, o projeto continuou a tramitar e foi enviado para as comissões temáticas do Legislativo, que precisam analisar o projeto antes que ele seja encaminhado à votação em plenário.

As comissões temáticas solicitaram, então, que o projeto fosse enviado a diversos órgãos e às empresas que prestam o serviço de transporte público. A CMTU afirmou que o projeto, caso aprovado, aumentará em aproximadamente 30% os custos do serviço e exigirá o reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão. Ainda de acordo com a companhia, Londrina tem seguido os percentuais de ocupação determinados no decreto estadual nº 4.951/2020, de 1º de julho de 2020, que estabelece ocupação de 65% das 5h às 8 horas e das 15h30 às 19h30, e de 55% para os demais períodos do dia.

Em sua manifestação, a empresa Londrina Sul Transporte Coletivo (Londrisul) disse que a concessão do serviço é regulada por contrato, que prevê aspectos como o número total de veículos que compõem a frota a ser operada, o valor da tarifa, a idade dos ônibus, as linhas a serem operadas e a margem de lucro. Segundo a Londrisul, com a pandemia, o custo do sistema se tornou maior do que arrecadação por ele gerada. Por meio de sua assessoria jurídica, a empresa afirmou que o transporte coletivo custa aproximadamente R$ 9,5 milhões, enquanto gera uma arrecadação conjunta, a ambas as concessionárias que operam na cidade (TCGL e Londrisul), na casa dos R$ 5 milhões. Exatamente por esse motivo, de acordo com a Londrisul, encontra-se em andamento um plano de reequilíbrio financeiro contratual. No mesmo sentido, o Conselho Municipal de Transporte de Londrina considerou a proposta inexequível, “tendo em vista que seria necessário um valor muito maior de ônibus, motoristas, consumo de diesel e aumento na utilização de insumos”.

Também convidada a se manifestar, a Secretaria Municipal de Saúde afirmou que os percentuais de ocupação atualmente adotados já são razoáveis. O Conselho Municipal de Saúde, por sua vez, se manifestou favorável ao projeto, sugerindo a previsão de contrapartidas para as concessionárias e a inclusão de dispositivo que defina objetivamente a duração da restrição na lotação dos ônibus.

A Comissão de Política Urbana e Meio Ambiente e a Comissão de Administração, Serviços Públicos e Fiscalização da CML seguiram o parecer da Assessoria Técnico-Legislativa e manifestaram-se contrariamente ao projeto. Já a Comissão de Seguridade Social votou a favor do PL.

Marcela Campos/Ascom/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.