Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Período foi o mais atípico dos últimos anos, devido à pandemia gerada pelo novo coronavírus, que chegou ao Brasil

Na quarta-feira (30), a Secretaria Municipal de Saúde prestou contas dos investimentos realizados durante o 2º quadrimestre de 2020. Os interessados puderam acompanhar a audiência pública de forma virtual, pelos canais da Câmara de Vereadores no YouTube e no Facebook. Durante o encontro, foram apresentados os dados das contas do Fundo Municipal de Saúde, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Entre eles as receitas, despesas e metas fiscais dos acumulados de maio a agosto deste ano.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, estes últimos meses foram os mais atípicos vivenciados pelos profissionais de saúde até o momento. Isso porque, muito da rotina de trabalho dos mesmos sofreu mudanças devido à pandemia gerada pelo novo coronavírus e a doença transmitida por ele, a COVID-19. “Nós passamos os quatro meses dentro do contexto da pandemia. Entretanto, como poucas cidades brasileiras, ao invés de fechar os serviços, nós ampliamos. Contratamos muitos profissionais, fizemos a adequação da rede assistencial para que pudéssemos separar as síndromes respiratórias das demais doenças, que não pararam de existir e precisamos reconhecer todo o empenho, comprometimento e a dedicação dos nossos servidores”, frisou.

O secretário da pasta também lembrou que, apesar do contexto de pandemia, o Município de Londrina manteve todas as unidades em funcionamento, levando o acolhimento adequado aos pacientes, dando continuidade às reformas de Unidades Básicas de Saúde, entrega de melhorias e iniciando novas construções como a sede do SAMU e do novo PAI, que terá uma estrutura física mais moderna e adequada à realidade atual.

Coronavírus

A cidade de Londrina foi uma das 133 selecionadas para participar do EPICOVID19-BR, pesquisa do Ministério da Saúde (MS) sobre o novo coronavírus. Nos dias 21 a 23 de junho, entrevistadores do IBOPE visitaram 250 imóveis e aplicaram o teste rápido para o novo vírus. Além disso, para ajudar no tratamento aos pacientes da Covid-19, a Prefeitura de Londrina fez a cessão de cinco respiradores novos ao Hospital Universitário da UEL. Os equipamentos são usados nos pacientes com estado grave da doença, na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

Além disso, de forma integrada, o Laboratório Central do Estado (LACEN) habilitou o Hospital Universitário (HU/UEL) a fazer os exames do novo coronavírus, como parte integrante do Sistema Estadual de Laboratórios de Saúde Pública (Seslab). Assim, os exames estão sendo realizados em parceria entre a Prefeitura de Londrina, que adquiriu os insumos para realização dos testes, e o Hospital Universitário da UEL, que faz o diagnóstico.

Outro serviço ofertado nos últimos meses pelo município foi o Disque Coronavírus (0800 400 1234). Ele informa o resultado dos exames daqueles que foram atendidos nas Unidades Básicas de Saúde, na Unidade de Pronto Atendimento do Sabará e no Pronto Atendimento Infantil (PAI).

Dashboard

Em agosto, a Prefeitura de Londrina lançou a ferramenta chamada Dashboard saude.londrina.pr.gov.br/painelcovid19. Com ela, o município leva informação atualizada sobre a pandemia do novo Coronavírus e apresenta dados sobre os principais sintomas apresentados pelos pacientes confirmados, áreas e bairros afetados, indicadores como o número de casos confirmados, de recuperados, de descartados, em andamento e óbitos pela Covid-19. Além disso, é possível saber o número de ocupação das UTIs e o perfil dos infectados.

Saúde da Mulher

Uma grande novidade para a saúde da mulher foi a implantação do novo protocolo de tratamento com o uso do Dispositivo Intrauterino (DIU) hormonal. As pacientes que sofrem com sangramento uterino, após avaliação médica, são encaminhadas para o atendimento na Policlínica, onde é implantado o dispositivo.

Vacinação

Durante o segundo quadrimestre, o município de Londrina também realizou a quarta fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo. O público-alvo foram os adultos, com idades de 20 a 49 anos. Foi possível imunizar 15.710 pessoas. Já com relação à gripe, a SMS atingiu quase 190 mil cidadãos com vacinação.

Obras

Nesse período, a Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria de Saúde, entregou as reformas das Unidades Básicas de Saúde do Eldorado (em julho), dos Campos Verdes (julho), Santiago (agosto) e do Patrimônio Regina (agosto). A construção da UBS do Santa Rita também foi finalizada e inaugurada em agosto substituindo a unidade do Leonor.

Outra grande obra aguardada pela cidade de Londrina é a nova sede do SAMU, que começou a ser erguida em julho desse ano, no terreno ao lado da Rodoviária. A estrutura que está sendo construída terá três pavimentos e abrigará um heliporto e estacionamento para as ambulâncias.

Veículos

Em junho desse ano, a pasta também recebeu três novas ambulâncias de suporte avançado, conhecidas como “UTI Móvel”, totalmente equipadas e prontas para uso do SAMU. Outras duas vans e um carro-ambulância também compõem a frota agora. O município investiu mais de R$ 1 milhão com recursos próprios e do governo do Estado do Paraná.

Atendimentos

A Diretoria de Atenção Primária em Saúde realizou mais de 8 mil consultas odontológicas e 16.777 procedimentos. Já no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) foram feitas 362 consultas e 184 procedimentos. Outras 125 mil consultas agendadas e programadas forma feitas durante os últimos quatro meses. Outros 199 grupos como de educação em saúde e mobilização social foram realizados.

Outros 26.284 atendimentos foram prestados pelas equipes do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF) entre os profissionais de fisioterapia, nutrição, educação física, psicologia e farmácia. Com relação ao Consultório de Rua, 629 atendimentos individuais foram efetivados e 1.428 procedimentos executados ao todo, estando entre eles os curativos, aferição de glicemia capilar, coleta de exames laboratoriais, medição de altura e peso, coletas de preventivos, retirada de pontos, retirada de cerúmen e outros.

A Diretoria de Urgência e Emergência atendeu 90.845 no Pronto Atendimento das Unidades de 16 e 24 horas; realizou 33.536 exames de raio-x nas UPAS do Sabará e Centro Oeste e no Pronto Atendimento Infantil; mais de 60 mil chamados foram prestados pelos profissionais do SAMU; e outros 11.757 ocorrências utilizaram-se de ambulâncias e helicópteros para transportar pacientes de urgência e emergência.

Os profissionais da Diretoria de Serviços Complementares em Saúde realizaram também 2.672 consultas, como das áreas de Cardiologia, Endocrinologia, Nefrologia infantil, Pneumologia, Asma, entre outras.

A diretora de Serviços Complementares em Saúde e responsável pelo Centro de Atenção Psicossocial, Cláudia Denise Garcia, computou quase 12 mil ações, entre consultas, atendimentos domiciliares, em grupo, individuais, familiares, matriciamento e outros. O Centro de Referência de IST/HIV/AIDS, Hepatites Virais e Tuberculose também somou 24.860 atividades entre as consultas, medicamentos distribuídos, procedimentos dos técnicos e auxiliares de enfermagem, enfermeiros e pacientes atendidos de odontologia. O Centrolab fez também 391.875 procedimentos de bioquímica, testagem de hormônios, de hanseníase, de líquor, microbiologia, de parasitologia de fezes, tuberculose e urinálise.

A Diretoria De Regulação Da Atenção à Saúde esteve atuante durante esses quatro últimos meses, investindo em média R$ 5.254.901,59 em alta complexidade contratualizado, R$ 156.430,35 em procedimentos de média complexidade com recursos próprios e outros R$ 6.514.412,07 contratualizado para os procedimentos de média complexidade.

Essas e outras informações estão disponíveis para consulta da população, no site da Prefeitura de Londrina. A audiência foi aberta ao público e segue o preconizado pela Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012. Esta regulamenta o art. 198, da Constituição Federal, dispondo sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pelos entes do Poder Público nas ações e serviços de saúde, além de estabelecer os critérios para o rateio de recursos de transferências à saúde e as normas de fiscalização, avaliação e controle das despesas públicas.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios