Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná

Produtores de abelhas podem ligar para o Disque Dengue (0800-400-1893) e informar endereço, para evitar que o inseticida seja aplicado em frente ao local

Para evitar uma possível epidemia de dengue na cidade, a Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), está dispersando o inseticida com a ajuda dos equipamentos de ultrabaixo volume (UBV), conhecidos popularmente como fumacê. E os agentes de Controle de Endemias pedem à população, em especial, os apicultores, que se atentem às recomendações para proteger sua produção.

O fumacê é uma estratégia utilizada para controlar as populações de mosquitos. Assim, por meio de uma “nuvem” de fumaça, contendo baixas doses de inseticida, eliminam-se o mosquito Aedes aegypti e outros, o que evita a transmissão da dengue, zika, chikungunya e de diversas doenças endêmicas.

Porém, por ser um inseticida, ele também pode afetar outros animais, como as abelhas. Por isso, a Secretaria Municipal de Saúde pede que os apicultores entrem em contato pelo Disque Dengue, número 0800-400-1893 e informem o endereço completo do local da produção das abelhas. O intuito é não dispersar o inseticida em frente aos endereços cadastrados, evitando danos aos animais.

O Disque Dengue funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h e também serve para tirar dúvidas sobre o assunto. “Na SMS, temos um controle dos locais de criação desses insetos. Ligamos para os apicultores, informamos que vamos passar com o fumacê no dia seguinte pelo bairro deles e pedimos que eles protejam as colmeias. Porém, estamos pedindo que todos os criadores nos telefonem para que, caso haja algum produtor autônomo, informal ou mesmo que a gente não tenha conhecimento, também seja avisado”, explicou o coordenador de Endemias da SMS, Nino Medeiros.

A orientação geral dos agentes de Controle de Endemias é para que a população abra as portas e janelas das casas, para que o inseticida consiga entrar nos lares. Mas, para isso, é importante cobrir os alimentos, como frutas e a comida que pode estar exposta; proteger os animais de pequeno porte, como os passarinhos, cachorro e gatos, e seus comedouros e bebedouros; e cobrir as colmeias, assim que escutar a aproximação de um dos quatro veículos da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA).

Está no planejamento da Saúde passar pelos bairros Conjunto Eucaliptos, Conjunto Lindóia, Parque Waldemar Hauer, Vila Romana, Jardim Alemanha, PIL, Jardim Ideal, Conjunto Mister Thomas, Jardim Califórnia, Jardim Eldorado, Vale do Cambezinho, Jardim San Fernando, Jardim Monte Carlo e Pequena Londres. Também na região sul, pelas ruas do União da Vitória, Jardim Del Rey, Conjunto Cafezal e Jardim Acapulco. O ciclo do fumacê deve dar o intervalo de três dias entre uma execução e outra, além de ser aplicado em três dias diferentes para garantir a eficácia máxima.

A dispersão do fumacê depende de vários fatores como a posição e a força dos ventos, o aumento da temperatura da superfície e o horário para ser aplicado. Isso porque, quando há ventos fortes, eles acabam direcionando o inseticida para lugares não desejados. Já quando a temperatura aumenta muito, ela modifica a movimentação das partículas do inseticida, o que pode desestabilizar o produto. Por isso, ele é dispersado das 4h às 10h e das 17h às 21h.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios