Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná

Crianças maiores de 1 ano até menores de 5 devem tomar a dose extra da vacina; cinco locais estarão disponíveis ao público

A campanha de vacinação contra a paralisia infantil está nos últimos dias e, neste sábado (28), a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realiza uma ação ampliada para imunizar o maior número de crianças em Londrina. Esta vacina é uma dose extra necessária para crianças com mais de um ano e menores de cinco de idade. Das 8h às 17h, o público terá à disposição cinco pontos de vacinação, sendo quatro Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e também a Super Creche (CMEI Valéria Veronesi), abrangendo todas as regiões da cidade. Os locais estarão funcionando neste dia apenas para essa finalidade.

Oficialmente, a campanha contra a poliomielite será encerrada no dia 30 de novembro e esta será a última oportunidade que as famílias terão para vacinar suas crianças de forma mais rápida e prática, em pontos exclusivos e sem a necessidade de agendamento prévio. Para esta ação, a única recomendação é que as mães, pais ou responsáveis levem a carteira de vacinação de quem for receber a vacina. As doses são aplicadas instantaneamente, de forma oral, e são completamente indolores.

Os postos abertos serão a UBS Aquiles Stenghel (norte), UBS Jardim Piza (sul), UBS Marabá (leste) e UBS Alvorada (oeste), além da Super Creche que fica na região central, próximo ao Museu Histórico de Londrina.

Desde o início da campanha, Londrina conta com apenas quase 60% da cobertura vacinal necessária. Foram aplicadas cerca de 15.150 doses até agora, das 26.264 disponibilizadas, o que significa que mais de 10 mil crianças ainda não receberam a vacina.

A Secretaria Municipal de Saúde reforça o pedido à população para que todos aqueles que ainda não procuraram pela dose de reforço contra a poliomielite compareçam nas unidades para garantir a imunização, única forma de prevenir essa doença.

Poliomielite

Também chamada de paralisia infantil, a doença é grave e não tem tratamento. É uma doença infectocontagiosa que afeta o sistema nervoso, podendo provocar paralisia parcial ou irreversível, e até mesmo levar à morte. Atinge, principalmente, crianças com até quatro anos de idade, mas também pode acometer adultos que não foram vacinados. Apesar de ser uma doença erradicada no Brasil, a prevenção e o controle devem ser permanentes, exatamente para evitar que esse vírus volte a infectar as pessoas, como ocorreu com o sarampo e outras doenças.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios