Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Mesmo com a crise gerada pelo coronavírus, pasta obteve avanços significativos no último ano

Durante o ano de 2020, que trouxe diversos desafios para a população brasileira e mundial, devido à pandemia do novo Coronavírus, muitas atividades, programas e formas de atender ao público precisaram ser repensadas e renovadas. Em Londrina, isso não foi diferente. A Secretaria Municipal do Trabalho, Emprego e Renda (SMTER) foi uma das pastas que atuou com inovação e austeridade, buscando parcerias para viabilizar oportunidades ao trabalhador.

Para isso, a prefeitura investiu em melhorias na estrutura do órgão, oportunizou a qualificação da mão de obra e promoveu a inserção profissional, de forma a contribuir para a economia local. Segundo o secretário do Trabalho, Emprego e Renda, Elzo Carreri, assim como nos anos anteriores, em 2020 a pasta apoiou vários eventos de empregabilidade em Londrina, aproximando o poder público das Instituições de Ensino Superior (IES), sindicatos e da sociedade civil. “Costuramos iniciativas para suprir a demanda do setor produtivo, permitindo que o trabalhador pudesse investir em um novo ofício. Duas ações importantes nesse sentido foram a realização do curso de garçom, em parceria com a Abrasel, e o curso de formação de trabalhadores com deficiência, para contratação imediata dos formandos, em parceria com a TCS e a PUC”, pontuou.

Para Carreri, o resgate da imagem institucional da Secretaria, aliado ao bom serviço prestado aos trabalhadores e empresas, levou à conquista de resultados expressivos ao longo dos últimos quatro anos. Entre outros avanços, o secretário mencionou a implementação de novos serviços e de uma dinâmica de atendimento eficiente e alinhada às inovações tecnológicas. Além disso, a pasta passou a oferecer novas ferramentas de atendimento às empresas e aos trabalhadores, e todos os seus serviços foram disponibilizados pela internet, contando com material de orientação detalhado, como manuais e guias.

Outro serviço implantado foi o Laboratório de Cursos, que traz quatro estandes individuais de estudo, com computadores à disposição para que os trabalhadores realizem cursos online. A reativação do microcrédito orientado atendeu mais de 300 empresários e MEIs da cidade, o que resultou em um aporte de cerca de R$ 2 milhões aos pequenos negócios de Londrina, somente em 2020. Por meio dos setores de captação de vagas e de intermediação de mão de obra, a SMTER apoiou centenas de empresas, desde a triagem até a disponibilização da infraestrutura necessária para realização dos processos seletivos. “Isso potencializou muito o número de oportunidades de emprego ofertadas ao trabalhador. Além disso, implementamos um premiado projeto de comunicação e informação”, frisou Carreri.

Outra novidade foi a instauração do atendimento aos Distritos. Com a criação do curso de Costura Industrial, em parceria com SENAI e SIVEPAR, foi possível atender uma demanda antiga com a realização de cursos de formação em Lerrovile e Guaravera. A turma de alunos de Lerrovile, por exemplo, formou uma cooperativa de costureiras. Essas profissionais se formalizaram e, hoje, atendem diversas empresas, com encomendas em grande escala, gerando renda dentro do distrito. Já as alunas de Guaravera também estudam a formação de um grupo produtivo. Outros cursos na área rural estavam programados pela secretaria, porém, com a pandemia, essas atividades estão temporariamente suspensas, para evitar aglomerações.

Entre as metas futuras, o secretário do Trabalho, Emprego e Renda elencou a consolidação da SMTER como um polo formador e gerador de empregos. O órgão deve oferecer qualificação profissional, além de servir como uma ferramenta de mudança social e um instrumento ativo de reestruturação da economia pós-pandemia. “As ações interdisciplinares devem ser uma tendência, com a busca de parcerias como a que temos no projeto de educação fiscal, com o departamento de economia da UEL. Além da educação profissional, o atendimento psicológico ao trabalhador, a alfabetização digital e outros que estavam em fase de desenvolvimento, mas foram interrompidos por causa da pandemia, serão retomados com força”, disse Carreri.

Outra medida que deve ser colocada em prática é a aproximação entre o setor de microcrédito orientado e a Sala do Empreendedor. A intenção é que seja ampliado o número de pessoas atendidas pelo financiamento, para que os micro e pequenos empresários tenha acesso ao crédito e movimentem a economia local, sendo uma engrenagem importante na retomada do crescimento.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios