Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

João Carlos Barbosa Perez participou da sessão de ontem (7) para explicar suposta irregularidade nas contas municipais

O secretário municipal de Fazenda, João Carlos Barbosa Perez, e o controlador geral do Município, Newton Hideki Tanimura; participaram da sessão de ontem (7) da Câmara de Londrina para explicar suposta divergência contábil nas contas municipais apontada pelo Conselho de Transparência e Controle Social de Londrina.Segundo Perez, os R$ 95 milhões a mais registrados pelo sistema contábil da Prefeitura nos últimos anos não trouxeram impactos para o contribuinte nem para as contas públicas. No dia 30 de novembro, um ofício do Conselho de Transparência foi protocolado no Legislativo solicitando a instalação de uma Comissão Especial de Inquérito para apurar o caso.

O convite para os representantes do Executivo foi feito pelo vereador Nantes (PP), por meio do requerimento nº 532/2021. "Fizemos o convite porque é o papel desta Casa. Sempre que há uma movimentação e buscamos mais detalhes, é nosso papel convidar, e os secretários sempre estão disponíveis. O convite foi atendido e foram quase duas horas e meia de sabatina. Ficamos satisfeitos. Porém, para maiores conclusões, vamos esperar a nossa Controladoria realizar uma análise mais técnica, mais profunda", disse.

De acordo com João Carlos Barbosa Perez, a própria Controladoria Geral do Município já havia identificado uma diferença entre valores de créditos tributários e não tributários registrados no Sistema Tributário Municipal e os valores que apareciam no Sistema de Contabilidade Municipal, divergência que foi informada ao Tribunal de Contas do Paraná no balanço financeiro de 2020 e deu origem a uma auditoria interna, que começou há cerca de um ano. O secretário afirmou que servidores da Secretaria da Fazenda e da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Tecnologia realizaram uma ampla análise, de dados de 2013 a 2020. "A conclusão é que o sistema tributário é confiável, seguro, e houve um erro na hora de encaminhar os dados para a contabilidade", disse. O confronto de dados mostrou que houve o registro de R$ 95 milhões a mais no sistema contábil e, segundo o secretário, o problema ocorreu na exportação dos dados, provavelmente por um problema de parametrização ou operacional.

Perez explicou que foram identificados dois erros principais que geraram as divergências. O primeiro é que, em 2016, houve uma atualização monetária do saldo da dívida a receber pela Prefeitura registrada em triplicidade, o que representou R$ 45 milhões a mais no sistema contábil. Já nos anos de 2018, 2019 e 2020, houve erro em relação às renúncias fiscais do Programa de Regularização Fiscal (Profis) "Na hora de exportar os dados para a contabilidade, foi exportado o valor bruto da dívida, sem os descontos nos juros e nas multas", disse. De acordo com o secretário, a divergência nos registros da contabilidade não trouxe impactos para o contribuinte nem para as contas públicas. "Não há nenhum prejuízo ao contribuinte. Foi lançado na contabilidade um saldo maior a  receber. Não houve cobrança errada, nada disso", garantiu.

Segundo o controlador geral do Município, Newton Hideki Tanimura, em nenhum momento houve tentativa de ocultar irregularidades. "A situação foi reportada à Secretaria de Fazenda, que chegou a essa conclusão.Em nenhum momento houve tentativa de ocultar algo", disse.

Encaminhamentos

O ofício do Conselho Municipal de Transparência Social foi encaminhado à Controladoria da Câmara de Londrina, que analisará as informações, assim como as explicações dos representantes do Executivo e documentos, antes de emitir um parecer. A análise embasará as decisões dos vereadores.

Marcela Campos/Asimp/CML

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.