Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Evento resultou em 17 potenciais negócios e na mudança do comportamento de profissionais do hospital

No final de semana, de 16 a 18 de agosto, 17 novas soluções para o setor da saúde surgiram durante o 1° Startup Challenge de Londrina. As inovações variam de aplicativos, dispositivos até produtos que pretendem trazer humanização para o tratamento de pacientes. A ação foi promovida pelo Polo da Saúde de Londrina, em parceria com Sebrae/PR, Grupo Salus e Hospital do Câncer.

O evento atraiu 84 participantes e funcionou como uma evolução do modelo dos hackathons, em que equipes com profissionais e estudantes de diferentes áreas propuseram soluções inovadoras para problemas reais da área da saúde, focados na realidade da área hospitalar, com olhar central para a “Humanização na assistência ao paciente e acessibilidade ao atendimento”.

Simone Millan, consultora do Sebrae/PR destacou a sinergia entre os participantes da maratona, atores do ecossistema de inovação, pacientes e profissionais da saúde. “Esta foi a primeira vez em que na escolha dos desafios, além dos profissionais da área, os pacientes também foram envolvidos”, disse.

A consultora frisou o envolvimento diferenciado das instituições de ensino superior da cidade. “Elas incentivaram seus estudantes e também estiveram presentes com a inscrição de seus profissionais e de forma institucional”, ilustrou.

Participaram da realização do evento 50 funcionários do Hospital do Câncer, responsáveis por auxiliar na organização das atividades e nos processos de mentorias para auxiliar os participantes. Para Edmilson da Silva Garcia, gestor administrativo do Hospital, a realização do desafio estimulou o surgimento de uma nova cultura no ambiente hospitalar.

“Nossos colaboradores foram inspirados pela inovação, a desenvolver um novo olhar para os desafios e problemas da saúde. Os grandes beneficiados são os pacientes, que além de contarem com futuros novos recursos, também estarão cercados por profissionais inspirados em buscar a cura de seus pacientes de forma inovadora”, afirmou.

Durante o evento, as equipes participaram de mentorias com profissionais para testar a viabilidade das soluções e adequar às necessidades reais do segmento. Com os direcionamentos feitos ao longo da programação, a intenção é que após o 1° Startup Challenge, os participantes organizem as ideias em startups e novos negócios que atendam o mercado da saúde sejam oportunizados. 

“Este momento integra uma série de ações que acontecem de forma contínua no processo de inovação local. Agora, estas startups serão apoiadas por nossos parceiros com acesso a ferramentas e oportunidades para transformar as ideias em negócios reais”, complementou a consultora do Sebrae/PR.

Reconhecimento

No 1° Startup Challenge foram premiadas as três ideias com melhor aplicabilidade. Na primeira posição a Biofilme, que prevê o desenvolvimento de uma espécie de fibra de seda que atue como cicatrizantes para edemas, estanque o sangramento e alivie a dor. Em segundo lugar a Ailie, aplicativo que monitora e avalia o tempo de jejum dos pacientes, e em terceiro a SHD, que por meio de uma pulseira eletrônica aponta sinais vitais dos pacientes.

Henrique de Santana, doutor em química e integrante da equipe vencedora, a Biolfime, contou que a ideia de aplicar materiais da seda na área da saúde surgiu depois de estudos feitos por ele e outros profissionais que identificaram as características da proteína de atuar como “drug delivery” ao introduzir medicamentos de forma não indolor na pele.

“Nunca havia participado de eventos assim e tampouco havia tido alguma ideia premiada. Vivenciar a metodologia de estímulos as startups em um ambiente privilegiado foi uma experiência única. Parte do que estudei em laboratórios poderá agora ter a chance de chegar no mercado e ajudar quem necessita. Vamos estruturar a solução para conquistar a liberação da Anvisa”, relatou.

A equipe vencedora era formada por três profissionais de química, um de enfermagem e outro de engenharia elétrica. Além do prêmio em dinheiro, de R$ 5 mil, a equipe vencedora também receberá consultorias e mentorias para desenvolver a ideia em negócio, assim como as demais ideias qualificadas.

Asimp/Sebrae

Durante três dias, os participantes estiveram imersos na resolução de problemas para a área da saúde. Crédito da Imagem; Divulgação HCL

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios