Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Universidade Estadual de Londrina obteve licenciamento de produto dermocosmético à base de Levana Microbiana e fez depósito dos pedidos de patente junto ao INPI, repassados à startup Biotec Ativos. Empresa criou uma linha de cosméticos, que já está sendo comercializada no município.

A Universidade Estadual de Londrina (UEL), por meio da Agência de Inovação Tecnológica (Aintec), oficializou neste mês um termo de transferência de tecnologia, da academia para a iniciativa privada, visando a exploração econômica de duas inovações: o processo de produção de levana e a formulação de um biocosmético que possui a levana como princípio ativo.

As tecnologias foram desenvolvidas por pesquisadores do Departamento de Bioquímica e Biotecnologia – Centro de Ciências Exatas (CCE), e do Departamento de Ciências Farmacêuticas – Centro de Ciências da Saúde (CCS), a partir de ativos biotecnológicos da levana microbiana, que tem propriedades antioxidantes, podendo ser utilizado em qualquer tipo de pele.

A UEL realizou o depósito dos pedidos de patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Eles foram repassados à Biotec Ativos, startup instalada na Incubadora Tecnológica da Aintec.

A partir dessa transferência de tecnologia, a empresa criou uma linha de cosméticos, a Biolevan. Os produtos já estão sendo comercializados.

Caminho legal

Segundo o diretor da Aintec, professor Edson Miura, o licenciamento representa o caminho legal para a Universidade proteger o conhecimento e repassá-lo com segurança à empresa, que será a responsável pela comercialização.

O primeiro termo de transferência de tecnologia da UEL foi oficializado em junho de 2017, para a industrialização e comercialização de um kit de detecção de formol no leite, capaz de verificar com facilidade uma das práticas comuns de adulteração do produto, que traz sérios riscos à saúde pública.

Este segundo termo foi solicitado à Aintec em setembro do ano passado pelas autoras da pesquisa, as professoras Audrey Lonni (Ciências Farmacêuticas) e Maria Antonia Celligoi (Bioquímica e Biotecnologia). Ele explica que o licenciamento ocorre posteriormente ao registro da patente e significa que a universidade detém legalmente a tecnologia.

“O pesquisador cede o direito e a pesquisa para a universidade, que a licencia para uma startup, por exemplo. Depois disso essa startup pode comercializar essa tecnologia para uma outra empresa do mercado”, informa.

Ele alerta que os processos de licenciamento exigem o cumprimento de trâmites administrativos e legais. Um processo trabalhoso, mas que regulariza e protege o capital intelectual. Ele consiste em mensurar o valor da tecnologia, realizando um levantamento de custos para dimensionar o quantitativo que poderá ser solicitado em forma de royalties.

Produto inovador

As professoras Aldrey e Maria Antonia juntaram as expertises para chegar à tecnologia da levana microbiana como base para desenvolver uma linha dermocosmética. A tecnologia foi repassada à Biotec Ativos, startup instalada na Incubadora Tecnológica da Aintec da UEL e que tem à frente duas estudantes de pós-graduação: Gabrielly Terassi Bersaneti (pós-doutoranda em Biotecnologia) e Briani Bigotto (mestranda em Ciências Farmacêuticas).

O primeiro produto da linha é um hidratante e primer facial, chamado Biolevan Sérum. No início desse ano foram lançados a Biolevan Água Micelar e a Biolevan Loção Tônica. Todos os produtos são feitos a partir tecnologia da levana microbiana.

De acordo com a definição das próprias criadoras, o Biolevan promove um efeito preenchedor na pele, ao mesmo tempo em que hidrata e controla a oleosidade. O grande apelo junto ao público feminino é a possibilidade de uma face com aspecto saudável, podendo fixar a maquiagem por tempo prolongado.

A professora Maria Antonia trabalha há cerca de 30 anos com o princípio ativo levana, que ela define como um exopolissacarídeo que apresenta inúmeras aplicações na área da de biotecnologia, e consequentemente alto potencial de utilização na indústria farmacêutica, cosmética e alimentícia.

“É muito importante para o pesquisador percorrer este caminho e avançar para formalizar um produto. Uma experiência excelente”, define.

Para a professora Audrey, chegar ao licenciamento corresponde à conclusão de projeto desafiador, que exige conciliar longas jornadas de ensino, orientação de alunos, pesquisa e publicações acadêmicas, mantendo o foco no desenvolvimento de um produto.

“O sonho de qualquer pesquisador é ver o seu trabalho ser usado, chegar à sociedade. Na prática, estamos vendo os benefícios reais. Nessa pandemia, estamos oferecendo uma linha de produtos com custo benefício acessível para melhorar a autoestima das mulheres. É muito gratificante”, diz a professora. 

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.