Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Lavadora ultrassônica é utilizada para automatização da limpeza de materiais odontológicos e outros instrumentos

A Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), promoveu mais uma avanço nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Algumas delas passaram a contar com lavadora ultrassônica, equipamento utilizado para automatização da limpeza para materiais odontológicos e outros instrumentos. A medida representa um avanço na saúde pública municipal, pois o item garante mais segurança aos servidores que manuseiam os equipamentos, e para o usuário, já que a limpeza dos materiais é mais segura e completa.

Ao todo, o Município adquiriu 35 lavadoras ultrassônicas, das quais 29 já estão em funcionamento, instaladas entre os meses de abril e maio. As outras serão instaladas nas UBSs que atualmente estão em reforma. Cada equipamento, da marca ALT, modelo Altsonic Clean 20 litros, custou R$ 8.119,00.

O secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, destacou que esta aquisição da Prefeitura, para a saúde bucal, vai proporcionar muito mais segurança e qualidade no processo de descontaminação dos materiais, para todas as equipes da Atenção Primária. “É a primeira vez, na história da cidade de Londrina, que as unidades básicas de saúde recebem um equipamento de última geração para melhorar o processo de trabalho. Isso faz parte do grande Programa de Restruturação da Saúde Pública de Londrina, que tem investido muitos recursos, desde 2017, na modernização de todo o parque de equipamentos da SMS. O que antes era inimaginável contar em uma UBS, hoje pode ser oferecido à população, melhorando a qualidade dos serviços e a condição de trabalho dos servidores”, afirmou.

A Coordenadora de Saúde Bucal da SMS, Eliane Azeredo, explicou que lavadoras são muito importantes para lavar os instrumentos odontológicos e outros materiais que a unidade pode utilizar. Segundo ela, a limpeza é feita pelo processo de ultrassom, onde o equipamento atinge uma frequência de vibração muito alta e que, em conjunto com um detergente enzimático e temperatura da água elevada, que chega até 60 graus C, promove a quebra das ligações entre a sujeira e a peça que está sendo limpa.

Eliane contou que antes da aquisição dos equipamentos a higiene dos itens era feita manualmente, pelos servidores, com o uso de luvas. “Com isso, evitamos o risco de possíveis acidentes, aos servidores, e a qualidade da lavagem é muito maior, pois é possível limpar o material como um todo, mesmo os locais difíceis de fazer higiene”, enfatizou. Após a limpeza, na lavadora ultrassônica, os materiais são colocados na autoclave, para esterilização completa.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios