Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As três ferramentas serão confeccionadas em acrílico, material para a desinfecção em autoclave, que permite ter uma dimensão biométrica mais exata e precisa, dispensando cálculos matemáticos e facilitando o trabalho do cirurgião dentista.

A Universidade Estadual de Londrina (UEL) oficializou na sexta-feira (10) um contrato de licenciamento de tecnologia com a Indusbello Company para produção e comercialização de três réguas específicas para auxiliar cirurgiões dentistas no trabalho de recuperação de dentes. O contrato foi assinado por representantes da Universidade, da Fundação de Apoio (Fauel) e da empresa licenciada, na sede da Agência de Inovação Tecnológica (Aintec).

Este foi o quarto contrato de licenciamento de tecnologia formalizado pela UEL via Agência, o primeiro após a Política de Inovação de Ciência e Tecnologia, aprovada no último dia 3 de setembro.

As três ferramentas (Régua Milimetrada para Fotografia; Régua Milimetrada de Proporção Áurea e Régua Milimetrada de Proporção Individual) serão confeccionadas em acrílico, material que permite a desinfecção em autoclave, e foram desenvolvidas pelos professores Adriana de Oliveira Silva e Hebert Samuel Carafa Fabre, do Departamento Odontologia Restauradora, do Centro de Ciências da Saúde (CCS).

Os dois chegaram a esta tecnologia a partir da dificuldade do cálculo da proporção dos dentes e da boca dos pacientes utilizando as ferramentas existentes – régua de análise, paquímetro e compasso de ponta seca.

Segundo a professora Adriana, este instrumento exige que o cirurgião dentista faça medições e cálculos para conseguir a proporcionalidade, fundamental para obter um sorriso harmônico e equilibrado. As novas ferramentas permitem ter uma dimensão biométrica mais exata e precisa, dispensando cálculos matemáticos, facilitando o trabalho.

Segundo o reitor da UEL, Sérgio Carvalho, o repasse da tecnologia permitirá que mais um resultado de pesquisa chegue à sociedade, colaborando para um tratamento odontológico adequado. Ele comemorou a assinatura do primeiro contrato após a aprovação da recente Política de Inovação, que representa alternativa para a proteção da propriedade intelectual e possibilita a prestação de serviço técnico especializado ou extensão tecnológica, além de criar regras para uso e compartilhamento de infraestrutura e de recursos humanos.

“Estamos cumprindo nossa missão. A universidade resgata o propósito para o qual foi criada”, disse o reitor.

Para o diretor da Aintec, professor Edson Miura, a partir da aprovação da nova Política de Inovação de Ciência e Tecnologia, pesquisadores e empresas passam a contar com diretrizes e segurança jurídica para estabelecerem contratos e parcerias. “Entendo que esta é a melhor forma de levarmos nosso capital intelectual à sociedade”, afirmou o diretor, acrescentando que a universidade também ganha visibilidade e alternativas para novas fontes de fomento.

O diretor da Indusbello Company, Leonardo Rodrigues Beni, disse que o interesse da empresa se deu pelo fato de as réguas odontológicas serem simples. "São muito funcionais para o trabalho do cirurgião dentista na parte clínica e nos procedimentos estéticos", destacou.

Patenteadas 

As três ferramentas patenteadas (Régua Milimetrada para Fotografia; Régua Milimetrada de Proporção Áurea e Régua Milimetrada de Proporção Individual) permitem a verificação rápida do conjunto da boca do paciente, a análise da proporção e a medição individual de cada dente, respectivamente.

As réguas foram desenvolvidas durante um Programa de Formação Complementar direcionado a estudantes da disciplina de Odontologia Restauradora do curso de Odontologia da UEL, em 2019. Segundo os criadores, elas permitem ter uma dimensão biométrica mais exata e precisa.

 “Tínhamos essa necessidade até porque cada vez mais os pacientes buscam a odontologia restauradora para ter um sorriso perfeito”, afirmou a professora Adriana. Ela explica que as três ferramentas foram produzidas a partir de estudos, comparações e uma boa dose de prática profissional. Ela diz que a Odontologia exige do profissional o gosto pelo artístico, pela busca da beleza, sobretudo se o cirurgião dentista trabalha com restauração.

A professora acrescenta que uma das inspirações para o desenvolvimento das três ferramentas estão na obra do professor José Mondelli, da Faculdade de Odontologia (USP) de Bauru (SP), pioneiro dos estudos de Estética e Dentística Operatória, autor de livros importantes sobre a área. O próprio professor desenvolveu uma régua de análise, que não foi patenteada, e é bastante utilizada pelos profissionais da área.

As três novas ferramentas desenvolvidas pelos professores da UEL oferecerem uma diretriz, uma técnica nova, simples e rápida para buscar uma proporção melhor na restauração dos dentes dos pacientes. Segundo os dois criadores, o conceito de belo é subjetivo. Para a Odontologia Restauradora interessa a proporção, buscar o melhor resultado estético.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.