Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Daniele Ziober convidou o titular da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente da Polícia Civil, em Curitiba, para participar da sessão

Durante a sessão de ontem (21), o delegado Matheus Laiola falou aos vereadores sobre a importância da implantação de uma delegacia especializada em proteção animal no interior do estado. Ele é o titular da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente da Polícia Civil, em Curitiba, que tem como área de abrangência todo o estado. Segundo Laiola, o primeiro passo para a região de Londrina seria a instalação de um setor dentro de uma delegacia existente, com servidores treinados, para atuar em casos de maus-tratos contra animais.

O delegado revelou que uma parte das denúncias recebidas pela delegacia especializada são resolvidas com orientação ao dono do animal, pois tratam-se de questões de menor gravidade. De acordo com ele, as prefeituras e guardas municipais têm um papel importante nesta conscientização. "A gente tem certeza de que essa orientação pode ser feita também pelo poder público municipal, por meio de uma capacitação da Guarda Municipal, por meio de um veterinário para verificar essas denúncias. A parte do delegado e da delegacia mais interessante é a hora que a gente dá voz de prisão, é a hora que a gente resgata o animal ali, mas isso é a exceção da exceção, principalmente porque não tem onde colocar os animais", disse. 

O convite ao delegado foi feito pela vereadora Daniele Ziober (PP), presidente da Comissão dos Direitos e Bem-Estar Animal, que disse ter solicitado diretamente ao governador Ratinho Júnior a criação de um setor na Polícia Civil de Londrina especializado em maus-tratos a animais. Ela ressaltou que a Guarda Municipal dá apoio aos fiscais da Secretaria Municipal do Ambiente (Sema) e defendeu a capacitação para que os guardas possam atuar sozinhos nestes casos. Ziober também cobrou que a Diretoria de Bem-Estar Animal da Sema recolha os animais vítimas de maus-tratos. "Em casos sérios de maus-tratos, o animal pode ser retirado, sim, e bancado pelo fundo, haja vista que esta Casa de Leis aprovou emendas à LOA [Lei Orçamentária Anual] desde 2017, num total de R$ 1.000.050,00 para o Fundo de Proteção Animal, para compra de ração para o banco de ração e para esse tipo de coisa, convênio com hotéis, com clínicas. Por que não estão recolhendo?", indagou.

Marcela Campos/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.