Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Guarda Municipal registrou 32 arrombamentos neste ano, em Londrina. Em abril foram 14, quase três vezes mais do que a média mensal

A Guarda Municipal registrou, neste ano, 32 invasões a 20 escolas municipais e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) de Londrina. De acordo com a secretaria municipal de Educação, a média mensal era de cinco ocorrências por mês, porém, só em abril foram 14 arrombamentos, incluindo furtos de equipamentos eletrônicos. A maioria dos casos ocorreu na região norte de Londrina. Os dados foram repassados na reunião pública virtual organizada pelas comissões de Educação, de Segurança Pública e de Administração da Câmara Municipal de Londrina, realizada ontem (6).

Desde o dia 23 de março, as aulas estão suspensas na rede municipal de ensino, devido ao novo coronavírus. A assessora administrativa da Secretaria Municipal de Educação, Rosana Marchese, afirmou que, em abril, os casos de invasão geraram prejuízos maiores ao Poder Público, pois houve furtos de equipamentos eletrônicos. “Houve arrombamento que só foi vandalismo: quebraram portas e entraram, mas houve furtos de ar-condicionado, aparelhos de televisão e computadores, o que geralmente não acontece. O mês de abril foi muito atípico. Por conta da pandemia, as escolas estão mais tempo fechadas e a população está mais vulnerável, até por conta da crise”, relatou.

O vereador Amauri Cardoso (PSDB), presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desporto destacou que a Câmara está discutindo o tema há vários anos e cobrou que a Prefeitura de Londrina coloque em prática as ideias que são debatidas, como o projeto de instalação de alarmes monitorados nas escolas. “O Legislativo está fazendo a sua parte: chama para a discussão e indica ao Executivo, mas a prefeitura até agora não implementou nenhuma política, nenhum programa de segurança no município, o que eu acho lamentável”, afirmou.

O secretário municipal de Defesa Social, Pedro Ramos, informou que a Guarda Municipal reforçou o patrulhamento nas áreas próximas às escolas mais visadas pelos bandidos e defendeu a instalação de alarmes monitorados nestes locais. Ramos informou que aguarda orçamentos de empresas especializadas para finalizar o Termo de Referência e enviar para a Secretaria de Gestão Pública o pedido de abertura de licitação para compra de uma central de monitoramento remoto, que será administrada pela Guarda Municipal, aproveitando a estrutura de alarmes já existentes em algumas escolas e CMEIs.

Conforme o secretário, o ideal seria colocar em prática um projeto que está em tramitação na Prefeitura de Londrina para instalar alarme monitorado em 287 prédios públicos, ao custo inicial de R$ 1,4 milhão. A própria Guarda Municipal já elaborou os projetos de instalação em 120 escolas, contudo, Pedro Ramos admitiu que o processo está avançando lentamente. De acordo com ele, a alternativa encontrada, em curto prazo, foi a compra da central de monitoramento. “Vamos instalar nossa central e vamos pegar essas primeiras escolas que tenham esses equipamentos. Vamos instalar e vamos monitorar. Se nós tivéssemos um sistema de alarme em funcionamento, a gente poderia otimizar o patrulhamento [da Guarda Municipal] e ser mais objetivo. O alarme vai dar uma segurança maior, vai diminuir as despesas que as escolas estão tendo para repor o material que, às vezes, foi conseguido com sacrifício”, argumentou.

O presidente da Comissão de Segurança Pública, vereador Jairo Tamura (PL), que também é líder do Executivo na Câmara de Londrina, se comprometeu a intermediar a implantação do sistema junto ao prefeito. “Temos uma preocupação muito grande em poder auxiliar e somar forças para que as escolas e CMEIs possam ter melhorias, e buscar soluções para os problemas que temos vivenciado”, afirmou.

Outra opção apresentada durante a reunião foi a compra e instalação dos alarmes diretamente pelas escolas, por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), do governo federal, para manutenção e melhoria da infraestrutura física e pedagógica. O secretário de Defesa Social se dispôs a repassar para as instituições os projetos de instalação dos alarmes e dos sensores que já foram elaborados.

O vereador Fernando Madureira (PTB), integrante das comissões de Educação e de Segurança, argumentou que o reforço em monitoramento e em patrulhamento trará outros benefícios para a sociedade que vive na região. “Sabemos que, se as escolas estiverem com mais segurança, a gente consegue promover esporte no contraturno. Além de melhorar a qualidade de vida das crianças, isso vai prolongar o horário de atendimento nas escolas, dando mais segurança também”, justificou.

Asimp/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios