Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Reunião pública foi organizada pela Comissão Especial de Vacinação em conjunto com a Comissão de Seguridade Social da Câmara de Londrina

Ontem (9), os vereadores de Londrina discutiram a vacinação contra a covid-19 com representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Ministério da Saúde (MS). Os principais temas abordados foram o prazo para entrega dos imunizantes, a compra por empresas privadas e a indicação de medicamentos sem comprovação científica para tratamento do novo coronavírus. A reunião pública remota foi organizada pela Comissão Especial de Acompanhamento do Plano Municipal de Vacinação Contra a Covid-19 em conjunto com a Comissão de Seguridade Social, e foi transmitida ao vivo pelos canais do Legislativo no Facebook e no Youtube.

O diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Laurício Monteiro Cruz, informou que o MS distribuiu até agora 47,5 milhões de doses das vacinas AstraZeneca e Coronavac para estados e municípios. Segundo ele, a agilidade no envio depende do volume de produção dos imunizantes e de outras vacinas contra a covid-19 cuja compra foi encaminhada pelo governo federal, mas que ainda não foram ofertadas para a população. “O problema do Brasil e do Ministério da Saúde não é recurso, porque o legislador federal se apresentou para liberar recursos para este enfrentamento. Nosso problema é ter a produção destas vacinas [...]. Estamos aguardando que os laboratórios consigam produzir mais vacinas. Não é só a Fiocruz e o Butantan, são todos estes outros com que nós temos contratos. [Esperamos] que eles agora comecem a entregar estas vacinas para o Programa Nacional de Imunização”, disse ele, lembrando também das vacinas da Pfizer e da Janssen.

A Fiocruz, entidade vinculada ao Ministério da Saúde, é responsável pela produção, no Brasil, da vacina Oxford/AstraZeneca, que é distribuída desde março pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que também oferece à população a Coronavac, produzida localmente pelo Instituto Butantan. O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, informou que a fundação está ampliando a capacidade de produção da vacina. Segundo ele, entre março e o dia 2 de abril, a entidade entregou 8,1 milhões de doses ao Ministério da Saúde e na semana atual e a seguinte, a previsão é enviar mais 6,7 milhões de doses. A meta da instituição é produzir 100,4 milhões de doses da AstraZeneca no primeiro semestre deste ano e mais 110 milhões no segundo semestre. A partir de maio, a Fiocruz também pretende começar a produzir os insumos para elaboração do imunizante, tornando o processo totalmente nacional. “Sabemos de toda dificuldade que o Brasil está passando neste enfrentamento, mas a gente está muito confiante de que está numa fase mais confiável deste nosso trabalho. (...) A gente fazia 100 milhões de doses de mais de oito vacinas todos os anos. Agora a gente está querendo fazer 200 milhões só de uma e ainda continuar fazendo as outras 100 milhões. Realmente é um desafio muito grande”, afirmou.

O presidente da Comissão Especial de Vacinação, vereador Nantes (PP), disse que a participação dos convidados foi fundamental para esclarecer dúvidas dos parlamentares a respeito da imunização e das diretrizes dos órgãos de saúde. “A participação deles, além de dar um peso para a reunião, com informações técnicas, nos situa da real situação do novo coronavírus e da vacinação em nível nacional, que acaba de certa forma afetando nosso município”, pontuou. Já a vereadora Lenir de Assis (PT), presidente da Comissão de Seguridade Social, relembrou que esta foi a segunda reunião da comissão sobre o tema e defendeu que todas as doses produzidas sejam destinadas ao SUS. “Os laboratórios têm condição de produzir vacinas. Já são produtos testados, diferentemente de medicamentos que muitos ainda insistem em prescrever e utilizar sem comprovação científica. A vacina esta comprovada e é o único caminho possível para o tratamento da covid”, afirmou.

Compra por empresas

A vereadora Prof.ª Sonia Gimenez (PSB), relatora da Comissão Especial da Vacinação, fez questionamentos sobre o projeto de lei que foi aprovado na Câmara dos Deputados para permitir que empresas privadas adquiram vacinas contra a covid-19. O diretor do Ministério da Saúde, Laurício Monteiro Cruz, afirmou que atualmente há dinheiro disponível para compra de imunizantes para toda a população nacional e defendeu que toda a vacinação seja feita pelo SUS. “Neste momento pandêmico, toda a produção e toda aquisição de vacina contra a covid tem de e deve ser pelo Ministério da Saúde. Porque comprar vacina não é algo tão fácil, é algo um tanto quanto complexo”, disse.

Balanço

No Brasil, até o momento, foram vacinadas na totalidade a população indígena, quilombola, ribeirinha, além de idosos internados e em casas de repouso e maiores de 70 anos, de acordo com o representante do Ministério da Saúde. Segundo ele, também foram imunizados 97% dos profissionais de saúde, 31% das pessoas maiores de 65 anos e 6% dos integrantes das forças de salvamento, como polícias e bombeiros, e Forças Armadas.

Tratamento precoce

O vereador Madureira (PTB) questionou sobre a suposta eficácia de medicamentos contra a covid-19, conhecidos como parte de um tratamento precoce. Já Nantes (PP), presidente da Comissão Especial de Vacinação, indagou sobre estudos e protocolos a respeito destes fármacos. O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Kriger, informou que, até o momento, não há medicações com eficácia cientificamente comprovada para evitar a doença. “Os medicamentos não têm terapêutica eficiente para eliminar o vírus. Já temos medicamentos que melhoram muito para os pacientes graves, [...] mas são medicamentos muito limitados, para uso de pacientes muito graves. Não temos medicamentos que permitam fazer prevenção ou tratar formas leves. Isso, infelizmente, não temos”, lamentou.

Durante a reunião também participaram o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado e os médicos Beatriz Tamura, presidente da Associação Médica de Londrina; Alcindo Cerci Neto, pneumologista do Hospital Universitário (HU) de Londrina; Zuleica Naomi Tano e Claudia Maria de Maio Carrilho, infectologistas do HU. Os médicos defenderam a vacinação em massa da população e o distanciamento social como formas de prevenção da covid-19 e desencorajaram o uso de medicamentos sem comprovação científica para tratamento da doença.

Londrina

Na cidade, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, até ontem (8), foram aplicadas 79.577 primeiras doses e 20.771 segundas doses das vacinas contra a covid-19. Já o boletim de hoje informa que Londrina soma 1.065 mortos durante a pandemia e 46.029 casos confirmados da doença.

Comissões

A Comissão Especial de Acompanhamento do Plano Municipal de Vacinação Contra a Covid-19 da Câmara de Londrina foi criada no dia 2 de fevereiro deste ano para fiscalizar o processo de imunização dos londrinenses. O grupo é composto pelos vereadores Nantes (PP), como presidente; Prof.ª Sonia Gimenez (PSB), como relatora; e Prof.ª Flávia Cabral (PTB), como membro. A comissão tem 180 dias, contados a partir da instalação, para apresentar o relatório final dos trabalhos desenvolvidos, podendo ter a duração prorrogada por mais 90 dias, se necessário. Já a Comissão de Seguridade Social é permanente e tem como integrantes os vereadores Lenir de Assis (PT), como presidente; Nantes, como vice-presidente; e Eduardo Tominaga, como membro

Marcela Campos/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios