Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Órgão municipal esclarece que não faz agendamento prévio de fiscalização, nem solicita pagamentos durante as vistorias

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) recebeu, nos últimos dias, denúncias de comerciantes londrinenses que sofreram tentativas de golpes. Os empresários teriam sido abordados por supostos fiscais da Vigilância Sanitária que queriam agendar a fiscalização dos estabelecimentos. No entanto, a SMS reforça que vistorias e inspeções feitas pela Vigilância Sanitária não são agendadas previamente.

Os relatos dos denunciantes também citam pedidos de pagamento para a fiscalização, o que não é conduta do órgão. Todos os trâmites para emissão de licenças são realizados pela internet, no Sistema Eletrônico de Informações (SEI), e possíveis taxas são requeridas por meio da Secretaria Municipal de Fazenda, para pagamento em boleto bancário.

Uma das comerciantes que procurou a SMS foi Elaine Gandolfo, sócia-proprietária de uma panificadora na Avenida São João. Ela explicou que, semana passada, após às 18h, um homem ligou no estabelecimento e se identificou como fiscal da Vigilância Sanitária.

“Na ligação, que meu filho atendeu, esse homem disse que queria agendar a fiscalização. Meu filho percebeu na hora que havia algo de errado. Em 25 anos que temos a padaria, nunca houve agendamento para fiscalizar. Afinal, se todos souberem quando o fiscal vem, eles não vão encontrar nada de errado em lugar algum”, citou a comerciante.

Gandolfo, posteriormente, entrou em contato com a Vigilância Sanitária e informou o ocorrido. Na ocasião, a coordenadora de Produtos da Gerência de Vigilância Sanitária, Juliana Segré, explicou que o contato não partiu do setor.

No mesmo dia, outro relato foi repassado à Vigilância Sanitária, sobre nova tentativa de golpe utilizando o nome do órgão. Nesta situação, além de afirmar sobre a vistoria, o suposto golpista mencionou pagamentos a serem realizados no ato da visita; e solicitou o código de segurança do WhatsApp do estabelecimento. A prática é utilizada para clonagem do aplicativo.

De acordo com a coordenadora de Produtos da Gerência de Vigilância Sanitária, Juliana Segré, os servidores do órgão não entram em contato com os comerciantes para agendar vistorias nem exigir pagamentos ou documentos. “Como os processos em andamento correm no Sistema SEI, toda informação que for necessária também é solicitada ao requerente pelo SEI”, detalhou.

A atuação da Vigilância Sanitária da SMS é regulamentada por legislação municipal e estadual. Formulários, requerimentos e demais orientações podem ser conferidas na página da Secretaria Municipal de Saúde no Portal da Prefeitura.

Em caso de dúvidas ou denúncias, a comunidade pode entrar em contato de segunda a sexta-feira, das 7h às 13h30, pelo telefone (43) 3372-9400.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.