Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Após concluir os trabalhos em todas as regiões da área urbana de Londrina, índices devem nortear combate à dengue na cidade

Continua até sábado (19) o trabalho de campo desempenhado pelos agentes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para avaliar a incidência de infestação do Aedes aegypti e de casos notificados de arboviroses, como dengue, zika vírus e chikungunya. As vistorias tiveram início em 7 de junho e ocorrem nos períodos da manhã e tarde, de segunda a sábado.

As verificações são realizadas pelos agentes de Controle de Endemias da SMS em todas as regiões da área urbana de Londrina. Esse acompanhamento permite que a Prefeitura intensifique as ações de combate ao Aedes aegypti, que transmite a dengue e outras arboviroses, nos locais onde há maior incidência do mosquito ou aumento no número de casos das doenças que ele transmite.

Para verificar a presença do Aedes nos imóveis, são sorteados 5% do total de imóveis residenciais ou comerciais localizados na área urbana da cidade. Esses dados serão compilados para o Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), que é realizado a cada três meses.

E as áreas não sorteadas para vistorias do LIRAa também são monitoradas. Em cada quadra, 10% dos imóveis são vistoriados pelos agentes de Endemias para o Levantamento de Índice Entomológico (LIE). Ambos os levantamentos são feitos presencialmente, com entrada somente na área externa dos imóveis por conta da pandemia de Covid-19.

Segundo o coordenador de Endemias da SMS, Nino Ribas, a população pode e deve contribuir para este trabalho, autorizando a entrada dos agentes de Endemias. “Essa nova metodologia nos permite intensificar as atividades nos bairros de acordo com sua classificação de risco, que considera a prevalência e incidência de casos notificados e a incidência da infestação do mosquito”, contou.

Após a conclusão dos levantamentos e cálculo das informações obtidas, as localidades são classificadas por risco. O último levantamento, de março a junho, classificou, dentre 256 áreas analisadas, 122 de alto risco e outras 134 de médio risco.

Nos locais de alto risco, há vistoria em 100% dos imóveis mais acompanhamento das notificações de casos de arboviroses. E nos bairros classificados como médio e baixo risco, a atuação dos agentes de Endemias também continua.

“Além do monitoramento, realizamos vistorias em pontos estratégicos a cada 15 dias. É feito ainda o atendimento a denúncias realizadas pela população e atendimento a imóveis imobiliários destas áreas”, complementou o coordenador de Endemias.

Junto com os levantamentos em busca de focos do Aedes aegypti, a Secretaria Municipal de Saúde utiliza as ovitrampas, armadilhas para coletar ovos do mosquito. “A cada semana, voltamos para avaliar e eliminar esses ovos. E quanto mais ovos, mais mosquitos há naquele entorno, então é uma forma muito importante de analisar a necessidade de intervenção. Atualmente, temos 120 ovitrampas instaladas”, disse Ribas.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.