Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Asimp/Cheida

Na sessão plenária desta terça-feira (20), a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovou, em segunda discussão, o Projeto de Lei 973/11, que estabelece políticas públicas para controle populacional de cães e gatos. Entre as medidas garantidas pela proposta está a identificação e registro dos animais de rua, a proibição do extermínio e a criação de programas de esterilização, além de ações preventivas contra o abandono e campanhas de incentivo à guarda responsável. “Não pensamos apenas em soluções imediatas, mas também em mudar a situação dos animais abandonados a longo prazo”, comenta o deputado Luiz Eduardo Cheida (PMDB), autor da proposta.

A proposição trata ainda de procedimentos para transporte e adoção dos animais e institucionaliza a figura do animal comunitário, aquele que não tem um dono específico, mas é cuidado por uma determinada comunidade. Conforme a proposta, a fiscalização da lei deverá ficar a cargo do órgão ambiental dos municípios.

Cheida, que é presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente da Alep, acredita que o projeto de lei ajuda a solucionar uma das principais demandas das cidades: “Além de gerar problemas ambientais, os animais abandonados representam danos à saúde pública, já que transmitem doenças. Estamos propondo políticas públicas com a finalidade de diminuir progressivamente as populações de cães e gatos de rua e que deverão ser adotadas por todos os municípios do estado. Hoje há uma grande confusão por falta de uma legislação estadual: cada município decide o que fazer em relação ao assunto e alguns não fazem nada”.

Dezenas de representantes de entidades de proteção animal acompanharam a votação do projeto de lei. A presidente da Sociedade Protetora dos Animais, Soraya Simon, concorda com as providências propostas pela matéria. “O sacrifício de animais saudáveis não é recomendado para controle populacional nem para controle de zoonoses. A Organização Mundial da Saúde, desde 1992, sugere medidas focadas na prevenção, como a castração, campanhas educativas, controle de criadouros, entre outras ações que estão previstas no projeto de lei aprovado. É o chamado controle ético de animais”. 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.