Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Vizinho sulamericano é o sétimo país a replicar o programa socioambiental da Itaipu

A necessidade de preservar os recursos hídricos e prevenir danos decorrentes das alterações climáticas despertou o interesse do governo da Bolívia em adotar a metodologia do Cultivando Água Boa (CAB), programa socioambiental da Itaipu que vem apresentando bons resultados nas microbacias hidrográficas do Oeste do Paraná. A iniciativa foi reconhecida pela ONU como a melhor prática de gestão da água no mundo, no último mês de março, com o prêmio Water for Life.

O vice-ministro de Recursos Hídricos da Bolívia, Carlos Rene Ortuño, visitou, entre os dias 28 e 31 de julho, diversos projetos do CAB em alguns dos 29 municípios que fazem parte da iniciativa, que é executada em parceria com prefeituras municipais, órgãos de governo federal e estadual, cooperativas, ONGs e instituições de ensino e pesquisa, entre outros.

Segundo Ortuño, o interesse pela parceria surgiu a partir de uma aproximação entre os governos dos dois países para tratar de recursos hídricos. A Bolívia “entrega” água para alguns dos rios amazônicos que percorrem o Brasil. Por isso, ao governo brasileiro, interessa o estabelecimento de uma rede de monitoramento hidrológico e climático, para prevenir enchentes e prever vazões para fins de geração de energia.

Também está em pauta a discussão sobre a construção de uma hidrelétrica binacional (Brasil-Bolívia), nos moldes de Itaipu, no rio Madeira. Em conversa com o vice-ministro, o diretor-geral brasileiro da Itaipu, Jorge Samek, adiantou, inclusive, que acaba de ser convidado pelo Ministério de Minas e Energia para compor um grupo de trabalho que discutirá o projeto dessa hidrelétrica.

A Bolívia é um país especialmente sensível às mudanças climáticas, uma vez que seus rios nascem do degelo de geleiras dos Andes. “Temos de três a quatro meses de chuva por ano”, explicou Ortuño. “Então, uma das estratégias é aumentar o armazenamento, construindo represas, de pequeno a grande porte, e hidrelétricas, não apenas para gerar energia, mas para regular o fornecimento de água”, acrescentou.

Essa estratégia faz parte de um plano lançado pelo presidente Evo Morales com diversas metas para melhorar a infraestrutura do país até 2025, ano em que a Bolívia completa 200 anos de independência. Entre as metas, estão a universalização do acesso à água (hoje o recurso está acessível para 80% da população) e o incremento da geração de energia a partir de fontes renováveis.

“Temos uma agenda de cooperação ambiciosa com a Bolívia tendo a água como um elemento central”, explicou Horácio Figueiredo Júnior, chefe de gabinete da presidência da Agência Nacional de Águas, que acompanhou o vice-ministro. “Nessa aproximação, o governo boliviano tomou conhecimento do CAB e nos pediu que o programa seja um dos instrumentos do acordo de cooperação, que está sendo finalizado”.

Para Ortuño, alguns dos elementos emblemáticos do CAB se aproximam daquilo que o governo boliviano defende, como a fundamentação em iniciativas locais, com envolvimento direto das comunidades beneficiadas. “Chamou a atenção a participação ativa de indígenas e de agricultores familiares, e a forma como as prefeituras se apropriaram dos projetos, que se converteram em políticas públicas. E também o uso de tecnologias como o biogás e o papel da educação ambiental. Tudo isso é muito interessante”, afirmou o vice-ministro, que, durante quatro dias percorreu a região visitando as iniciativas do CAB e conversando diretamente com participantes do programa.

A ideia, segundo Ortuño, é adotar o CAB de maneira experimental no projeto de construção da hidrelétrica Rositas, no Rio Grande. “Gostaríamos de iniciar a replicação do programa como atividade prévia à construção da hidrelétrica, estabelecendo um diálogo permanente com as comunidades”.

O CAB se tornou instrumento de cooperação internacional, com apoio da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e da (ANA), em novembro de 2013. Hoje, a metodologia do programa já vem sendo replicada na República Dominicana, Guatemala, Argentina, Paraguai, Uruguai e Espanha. Neste mês de agosto, uma missão da ANA à Bolívia deverá avançar na formatação do acordo de cooperação, ainda sem data para ser formalizado.

(Romeu de Bruns/JIE/Itaipu)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.