Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ontem (7) a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou uma lista das frutas, verduras e legumes com resíduos de agrotóxicos em níveis inaceitáveis. Segundo a pesquisa, quase um terço dos vegetais mais consumidos pelos brasileiros apresenta números não toleráveis. Os “campeões” seriam o pimentão, com 92% das amostras insatisfatórias, o morango, com 63%, e o pepino, com 57%. Os deputados do Paraná estão atentos ao problema, como bem destacou o presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, deputado Luiz Eduardo Cheida (PMDB). Tanto que segue em tramitação no Legislativo uma série de projetos que têm o objetivo justamente de minimizar os efeitos desses produtos químicos e incentivar o consumo dos produtos orgânicos.

Alguns agrotóxicos podem, na exposição ao longo dos anos, causar problemas imunológicos, hormonais, neurológicos, problemas na reprodução e até mesmo câncer. A primeira vítima costuma ser o próprio lavrador, que muitas vezes manuseia equipamentos inadequados ou mal conservados. O projeto de lei 655/2011, de autoria do próprio Luiz Eduardo Cheida, determina a inspeção periódica dos pulverizadores que lançam agrotóxicos nas culturas agrícolas paranaenses.“O ideal seria a não utilização de agrotóxico na produção de alimentos, mas essa consciência ainda tem um longo caminho a ser percorrido. Entretanto, os efeitos dos venenos precisam ser diminuídos, sob pena de termos, num futuro muito próximo, consequências catastróficas para a saúde humana”, defende o deputado.

Merenda saudável

Por outro lado, não adianta cuidar do trabalho realizado nas lavouras se não houver políticas públicas para garantir que a médio e longo prazo a população prefira os orgânicos. Por isso, os deputados também trabalham para tornar esses produtos mais acessíveis.Graças à Lei da Merenda Escolar Orgânica, de autoria dos parlamentares Luiz Eduardo Cheida, Elton Welter (PT) e Luciana Rafagnin (PT), os alimentos fornecidos nas escolas e colégios da rede pública não poderão mais conter agrotóxicos em toda a cadeia produtiva de todos os seus itens e componentes. A lei está em fase de implantação.

Outro projeto de lei que está em tramitação na Assembleia determina que os produtos orgânicos ganhem espaço de visibilidade privilegiado nos supermercados e hipermercados. A proposta, também de Cheida, é que os estabelecimentos ofereçam ao consumidor a oportunidade de reconhecer os orgânicos no momento em que ele adquire seus alimentos. O projeto recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e deve seguir em breve para votação em Plenário. O parlamentar reconhece que, embora essenciais para a saúde e para o equilíbrio ecológico, os orgânicos ainda são muito custosos para a população. “Mas é justamente a visibilidade maior que gera volume de vendas e diminui o preço final”, defende o deputado.

(Gabriela Siqueira/Asimp)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.