Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Francisco atribuiu crise ambiental à má contabilidade e corrupção de interesses; o Pontífice recomendou investimentos em energia limpa

Na tarde de ontem, 27, o Papa Francisco foi à Casina Pio IV, sede da Academia das Ciências Sociais do Vaticano, para discursar aos participantes da conferência sobre “Mudanças Climáticas e Novas Evidências da Ciência, Engenharia e Política”.

O Pontífice encontrou e agradeceu a política e diplomata equatoriana María Fernanda Espinosa Garcés, Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, e os Ministros da Economia de diferentes nações que estão discutindo este tema de grande importância para a humanidade e para toda a Criação.

“Aparentemente, em nosso tempo, lucros e perdas são mais valorizados do que vidas e mortes, e o patrimônio líquido de uma empresa tem precedência sobre o valor infinito da humanidade. Vocês estão aqui para refletir sobre a forma de remediar esta crise profunda, causada pela confusão de nossas contas morais com nossas contas financeiras; para ajudar a deter uma crise que está levando o mundo ao desastre”, iniciou o Santo Padre.

Lembrando aos líderes financeiros o compromisso assumido pelos governos em alcançar as metas dos “Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e o Acordo Climático de Paris”, o Papa alertou que investimentos em combustíveis fósseis continuam a crescer, apesar de os cientistas dizerem que devem permanecer no subsolo.

Francisco sublinhou a diminuição do investimento em energia limpa pelo segundo ano consecutivo, e reforçou que os especialistas repetidamente apontam os benefícios da energia do vento, do sol e da água para o ambiente humano: “Continuamos a percorrer estradas antigas porque estamos presos entre nossa má contabilidade e a corrupção de interesses. Continuamos a considerar e a contar como lucro aquilo que ameaça a nossa própria sobrevivência”.

Na sequência, o Papa mencionou dados da pesquisa científica que revela que a concentração de dióxido de carbono na atmosfera, uma das principais causas do aquecimento global relacionado às atividades humanas, chegou a 415 partes por milhão, o nível mais alto já registrado.

“Em todo o mundo vemos ondas de calor, secas, incêndios florestais, inundações e outros fenômenos meteorológicos extremos, a subida do nível do mar, o surgimento de doenças e de outros problemas que são apenas uma advertência severa de algo muito pior que pode vir a acontecer, se não agirmos com urgência”, alertou o Santo Padre.

Uma recomendação específica do Papa às lideranças é que atuem com prudência e responsabilidade nas economias, para realmente satisfazer as necessidades humanas, promover a dignidade humana, ajudar os pobres e libertar a sociedade da idolatria do dinheiro, que gera sofrimento: “Estamos diante uma questão de cálculo, o cálculo de salvar o nosso mundo da indiferença e da idolatria do dinheiro”.

Terminando, o Santo Padre disse esperar que se alcance um plano comum que esteja em harmonia com a ciência do clima, com a nova engenharia da energia limpa e, sobretudo, com a ética da dignidade humana. Segundo o Pontífice somente a misericórdia de Deus permite que a humanidade corrija seu caminho antes que seja tarde demais.

(Vatican News - Canção Nova)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.