Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Escritório Regional do IAP - Instituto Ambiental do Paraná (IAP), a Promotoria do Meio Ambiente e a 17a. Regional da Secretaria de Estadual da Saúde  promovem reunião na quinta-feira, dia 20, para debater a questão do descarte de resíduos de  serviços de saúde.

Será no auditório da Associação Médica de Londrina, a partir das 14 horas,  com a participação de órgãos públicos municipais e estaduais, representantes de hospitais e clínicas , empresas que atuam na coleta de lixo, cooperativas de reciclagem e entidades representativas da sociedade civil organizada.

Somente neste ano o IAP registrou em Londrina cinco (5) ocorrências de descarte deste tipo de resíduos em locais inapropriados, o que caracteriza um grave problema de saúde pública.

Importância para a comunidade

Segundo o chefe regional do IAP, Raimundo Maia Junior, “o gerenciamento dos resíduos é uma questão preocupante para os órgãos ambientais e quando se trata de resíduos de serviços de saúde se torna mais complicado ainda pois estamos falando de  material que concentra grande quantidade de bactérias e organismos capazes de infectar o meio ambiente e o ser humano.”

Segundo Raimundo Maia,  o IAP vem fiscalizando e autuando os infratores, mas ele ressalta que o importante é a prevenção e a conscientização dos envolvidos no processo de produção , coleta e gerenciamento do lixo.

Para a Promotora do Meio Ambiente, Solange Vicentini, é preciso que se cumpra a legislação corretamente devido aos graves problemas que podem acontecer a partir do contato com esses resíduos provenientes de serviços de saúde, como clínicas, laboratórios e hospitais. Ela lembrou que “o grande alerta que o país teve foi o episódio da contaminação por radioatividade ocorrido em 1987, em Goiânia, quando catadores tiveram contato com Césio armazenado de forma irregular e isso acabou provocando mortes e afetando a saúde de centenas de pessoas”.  A promotora lembrou também a gravidade da recente ocorrência  registrada em Londrina, quando pedaços de órgãos humanos, recolhidos para exames e descartados de forma inadequada, acabaram sendo encontrados em um barracão de uma cooperativa de reciclagem: “este fato  é muito sério e mostra que  empresas envolvidas não estão cumprindo a legislação com graves prejuízos para a saúde e para o meio ambiente”.

O chefe da Divisão de Vigilância e Saúde da 17a. regional de Londrina, José Carlos Moraes, disse que Londrina tem dois mil estabelecimentos que geram lixo hospitalar e que a coleta e destinação correta deste material deve ser debatida  já que muitas ocorrências de irregularidades estão sendo registradas: “os resíduos de serviços de saúde precisam ser dispensados de forma organizada e dentro da legislação, pois podem transmitir doenças e graves danos ao meio ambiente”.

As prefeituras da região metropolitana de Londrina também foram convidadas para participarem do evento.

Nalu Lourençon/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.