Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As fortes chuvas dos últimos dias, que causou estragos em 44 municípios no Estado, interromperam o manejo e o ritmo de colheita nas lavouras no Estado. A maior preocupação é com o desempenho do milho e do trigo, culturas que estão em fase mais suscetível aos efeitos das chuvas. Por enquanto, não há indícios de perdas na produção, mas o principal receio é o da redução da qualidade dos grãos, o que pode impactar nos preços recebidos pelos produtores.

“A situação é de alerta. As chuvas não são boas para o trigo, principalmente nessa fase”, diz Carlos Hugo Coutinho, engenheiro agrônomo do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab). Cerca de 40% da área plantada de trigo no Estado está em fase de floração e frutificação.


Com as chuvas, os produtores estão com dificuldade para aplicar defensivos agrícolas, que são importantes nessa fase para evitar a proliferação de doenças. De acordo com Coutinho, houve uma piora na qualidade das lavouras. “Estávamos com 4% das lavouras em condições médias. Esse número já está em 9%. Ainda 90% da área apresenta condições boas. Apenas 1% são consideradas ruins. Mas a cada dia de chuva a preocupação aumenta”, acrescenta. 

A previsão é de um crescimento de 3% na produção de trigo no Paraná, para 3,96 milhões de toneladas. A expectativa é que a produtividade aumente 9%, para 2.991 quilos por hectare. 

Se for confirmada a perda da qualidade do trigo, o produtor poderá ter que encarar preços menores no mercado e dificuldade para vender o trigo para panificação. Para o agricultor a preocupação é maior também porque ele já vem enfrentando aumento de custos com sementes e adubação nessa safra.

MILHO. Não há indícios de perdas na produção, mas as chuvas também podem afetar a qualidade do milho da segunda safra no Paraná. Até agora, 25% da produção foi colhida.

Dos 1,4 milhão de hectares que ainda aguardam a colheita, 60% estão em fase final de maturação. Outros 38% estão em fase de frutificação e 2% em floração. De acordo com Edmar Gervasio, analista da área de milho do Deral, como a cultura está em fase adiantada, a chuva tem impacto pontual, mas preocupação é com o excesso de umidade do grão, o que aumenta as chances de desenvolvimento de doenças. 

O produtor também terá que aumentar gastos com secagem do grão. “O excesso de umidade deve comprometer a qualidade e pode afetar os preços pagos ao produtor”, afirma.

No campo, os agricultores estão aproveitando os períodos de sol para tentar acelerar a colheita. Mas a expectativa é que somente na próxima semana o tempo comece a firmar. A segunda safra do milho foi plantada em uma área de 1,91 milhão de hectares e a estimativa é de uma produção recorde de 10,8 milhões de toneladas. A maior parte está concentrada na região de Toledo e Cascavel, seguida pela região de Londrina e, em menor escala, em Campo Mourão.

De acordo com Gervasio, essa última região é a que concentra as piores condições após as chuvas. De acordo com o Deral, da área que falta ser colhida, 93% apresentam boa qualidade, 6% registram condições médias e 1% ruins.

Agência de Notícias PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.