Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Asimp/IAP

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) editou portaria que restringe por três anos a pesca (exceto amadora), o transporte e a comercialização de seis espécies no Estado: dourado, jaú, piracanjuva, jurupoca, monjolo e surubim do Iguaçu. O documento levou em consideração estudos que indicam a redução dos estoques pesqueiros ao longo dos anos nas bacias dos rios Paraná, Paranapanema, Iguaçu e seus afluentes. O objetivo é proteger peixes importantes para a biodiversidade.

A partir da publicação da portaria fica proibida a pesca embarcada ou desembarcada de peixes das seis espécies em lagoas marginais; a menos de 200 metros antes e depois de cachoeiras e corredeiras; a menos de mil metros antes e depois de barragens de empreendimentos hidroelétricos; a menos de 500 metros de saídas de efluentes, confluências e desembocaduras de rios, lagoas, lagos e reservatórios; em toda a extensão do Rio Bela Vista, canais e lagos artificiais do Parque da Piracema da Usina Hidrelétrica de Itaipu; e em muros e paredões (encostas rochosas ou de concreto).

A pesca amadora é permitida nas bacias com linha de mão, caniço simples e vara com molinetes ou carretilha. Também continua liberado o uso de iscas naturais e artificiais, sendo vedada a utilização de iscas à base de organismos vivos não nativos dessas bacias. Cada pescador pode utilizar três equipamentos para a captura dos animais. A pesca de espécies consideradas exóticas, ou seja, que não são nativas da região, está liberada.

O engenheiro de pesca Taciano Maranhão, do IAP, lembrou que uma portaria dessa natureza, discriminando e normatizando a captura das espécies de peixes e seus respectivos comprimentos, é inédita no Paraná. “Essa é a primeira portaria da história do Paraná que leva em consideração os estudos já realizados, principalmente no Rio Iguaçu, e de forma tão detalhada, especificando espécies, formas e tamanhos. Dessa forma, vamos garantir a continuidade das espécies e da biodiversidade dos nossos principais rios e incentivar a categoria de pesca ‘pesque e solte’”, explicou.

A portaria 211/2012 foi assinada terça-feira (23) pelo presidente do órgão, Luiz Tarcísio Mossato Pinto, durante o lançamento do livro “Peixes do Baixo Rio Iguaçu”, escrito por professores da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Segundo Mossato Pinto, a portaria representa um reconhecimento aos estudos sobre o tema que vêm sendo realizados ao longo dos anos. “Graças a estudos como o que estamos lançando neste evento nós pudemos provar a redução de algumas espécies de peixes em nossas bacias”, afirmou.

Piracema

Começa na próxima quinta-feira (01) e segue até 28 de fevereiro de 2013 a restrição da pesca profissional e amadora em todo o estado. O objetivo é garantir a reprodução dos peixes no período de defeso, chamado de piracema. A proibição é instruída pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Ibama), por meio através da Instrução Normativa nº 25/2009, e reforçada no estado pela portaria nº 242/2011, do Instituto Ambiental do Paraná (IAP).

Para garantir melhores resultados para a desova, o IAP e a Polícia Ambiental vão reforçar as ações de fiscalização nos rios e reservatórios do Estado. Quem for flagrado pescando em desacordo com a legislação vai ser enquadrado na lei de crimes ambientais. A afronta à lei estadual pode ocasionar multa de R$ 700 por pescador mais R$ 20 por quilo de peixe pescado. Além disso, os materiais de pesca, como varas, redes e embarcações, podem ser apreendidos pelos fiscais.

Por isso, os pescadores precisam estar atentos às normas da legislação federal (para rios da União e que fazem divisas com outros estados) e estadual (para os demais rios, córregos e reservatórios).

Solenidade

Durante a solenidade de lançamento do livro, a Tractebel Energia entregou à Sanepar uma estação de tratamento de efluentes e de captação de água da região e a Vila de Operários, construída na década de 1970 e reformada nos últimos anos para o município de Quedas do Iguaçu. Os investimentos na área do entorno da Usina de Salto Osório têm como objetivo desenvolver o turismo da região.

O evento aconteceu em Quedas do Iguaçu, Oeste do Estado, na usina de Salto Osório, e contou com a presença dos pesquisadores, representantes da Sanepar, Copel, Tractebel, prefeitos da região, a chefe regional do IAP em Toledo, Maria Gloria Genari Pozzobon, e o chefe regional do IAP em Pato Branco, Jose Claudinei Valentini.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.