Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ceres T. Battistelli/Asimp/ Agência Ehcom


Está marcada para a primeira semana de agosto (dias 1, 2 e 3) a soltura dos 566 animais resgatados durante o enchimento do lago da Usina de Mauá, em Telêmaco Borba. Técnicos do núcleo de Fauna da Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA-Paraná) estão acompanhando todas as atividades de salvamento da fauna terrestre, metodologia utilizada e fluxo dos animais.O IBAMA foi responsável pela emissão de autorizações referentes ao resgate de fauna terrestre, resgate de ictiofauna (peixes) e monitoramento prévio da área de influência do empreendimento – ação indispensável para saber o que existia de espécies no local.“São procedimentos de salvamento e, posteriormente, de soltura dos animais evitando a perda do patrimônio genético das espécies afetadas”, declarou o Superintendente do IBAMA no Paraná, Jorge Augusto Callado Afonso. Ele afirma que o Consórcio Cruzeiro do Sul está cumprindo as determinações previstas nas autorizações concedidas pelo órgão ambiental, visando redução dos impactos.

“Emitimos a autorização e agora estamos acompanhando de perto os trabalhos de campo para evitar danos à nossa fauna”, completa Jorge.

As espécies resgatadas serão devolvidas para áreas de floresta nativa existentes nas proximidades do reservatório, o que permite melhor adaptação dos animais. Uma das áreas selecionadas pertence à empresa Klabin e está localizada na margem direita do reservatório onde existe maior riqueza de fauna. Após a soltura, serão observadas alterações nas populações de animais já existentes no local.

Resultados

Desde o dia 28 de junho – quando a área começou a ser alagada – foram resgatados 566 animais, sendo 215 anfíbios, 277 mamíferos, 72 répteis e duas aves.

De acordo com a veterinária do núcleo de fauna do IBAMA, Eunice Souza, estes números representam apenas 10% da quantidade de animais resgatados em toda a fase de supressão da vegetação nativa, ocorrida antes do enchimento do reservatório. Segundo ela, o desmatamento afugenta naturalmente espécies de felinos e mamíferos. “Ainda assim, encontramos ouriços e tamanduás”, menciona Eunice. 

A veterinária explica que os animais resgatados passam por um processo de triagem, biometria, marcação e sedação - no caso de algumas espécies, principalmente de mamíferos, para minimizar o estresse.

A equipe do IBAMA acompanhou o resgate da fauna utilizando embarcações, já que o enchimento do lago está sendo rápido. Com isso, a maioria dos animais resgatados já estavam na copa das árvores.

“Grande parte eram anfíbios de hábitos arborícolas, mas também foram resgatadas serpentes, entre elas a Cascavel e Caninana, e mamíferos como o ouriço e o tamanduá-mirim”, conta Eunice. Segundo ela, a presença de cobras na copa das árvores demonstra que estes animais estavam realmente fugindo, pois não apresentam este hábito.

Eunice Souza conta que paralelamente ao resgate, o IBAMA está monitorando a área de influência do empreendimento (entorno) para observar as alterações de fauna causadas pelo empreendimento.

“Inclusive de abelhas silvestres nativas sem ferrão - importantes agentes polinizadores que contribuirão para a formação da nova área de preservação permanente - 100m de largura no entorno do reservatório”, ressalta a veterinária.

O Superintendente do IBAMA no Paraná, Jorge Callado, conta que também haverá o acompanhamento dos programas previstos para conservação de espécies ameaçadas de extinção.

Flora

Durante o processo de resgate de fauna foram coletadas mudas e sementes de espécies de flora ameaçadas de extinção como, por exemplo, o Pau-Marfim. As sementes serão utilizadas para recomposição da Área de Preservação Permanente (APP) que será, obrigatoriamente, recomposta em torno do reservatório. Entre as bromélias e orquídeas resgatadas, os técnicos obtiveram o primeiro relato de uma espécie de orquídea no Brasil.

O Consórcio se comprometeu a investir R$ 120 milhões em 34 projetos ambientais que incluem conservação da fauna e flora, resgate arqueológico, qualidade da água, remanejamento e monitoramento da população atingida, proteção de abelhas melíferas e educação ambiental, entre outros.

Usina

Com investimentos de mais de R$ 1,2 bilhão, a Hidrelétrica Mauá adiciona ao sistema elétrico do Estado a potência instalada de 361 megawatts, o suficiente para atender ao consumo de uma população de aproximadamente um milhão de pessoas. O projeto da usina inclui a construção de uma subestação e duas linhas de transmissão em 230 mil volts, que vão transportar a energia ao Sistema Interligado Nacional.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.