Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Previsão de poucas chuvas na Região Metropolitana de Curitiba requer manutenção do uso racional da água e do rodízio no abastecimento

O fenômeno climático La Niña continuará a produzir o efeito de poucas chuvas de fevereiro a abril na região Sudeste da América do Sul. E a Sanepar já começa a registrar tendência de queda nos níveis dos reservatórios do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC), que amanheceram ontem (9) com 48,53%.

As informações sobre o La Niña foram divulgadas por agências meteorológicas internacionais. De olho nessas previsões, que indicam chuvas abaixo da média durante todo o outono, o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky, afirma ser imprescindível manter o uso racional da água e o rodízio no sistema de abastecimento da RMC.

O registro de chuvas 70% acima da média em novembro evitou a adoção de um rodízio mais severo. No entanto, em dezembro, as chuvas foram de 20% acima da média; e em janeiro, de apenas 5%. “Chuvas na média não recuperam reservatórios, principalmente por causa do déficit hídrico acumulado”, destaca Julio.

Dados do Simepar indicam que de fevereiro de 2020 a janeiro de 2021 choveu 1.091 milímetros, 346 a menos do que a média histórica para o período. “Para que os reservatórios cheguem a 60% em março, teríamos que ter chuvas de 70 mm a cada 10 dias desde o início deste mês. Infelizmente o cenário é desfavorável”, diz o diretor.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.