Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Labre completa 20 anos em 2019 e é referência na recuperação de fundos de vales e outras ações em prol do meio ambiente. O papel do laboratório também é produzir conhecimento científico.  

O Laboratório de Biodiversidade e Recuperação de Ecossistemas (Labre) nasceu do viveiro de mudas da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Ao completar 20 anos em 2019, o Labre é referência na recuperação de fundos de vales e outras ações em prol do meio ambiente.

Também serve de campo de pesquisa para a iniciação científica, mestrado e doutorado, registrando mais de 50 estudantes em diferentes pesquisas que passaram pelo setor.

"A partir do viveiro de mudas, passamos a agregar pesquisas e a fomentar a formação de profissionais para atuar na restauração de ecossistemas degradados", afirma o professor José Marcelo Domingues Torezan, professor do Departamento de Biologia Animal e Vegetal, do Centro de Ciências Biológicas (CCB) e coordenador do Labre.

Ele lembra que o papel do laboratório é produzir conhecimento científico e auxiliar parceiros na recuperação ambiental.

Parcerias

Nos rankings de avaliação acadêmica, a universidade é avaliada, também, pela inserção social a partir de cooperações que firma com entidades. Nesse quesito, o Labre proporciona muitas parcerias com organizações não governamentais (ONGs), empresas públicas e privadas, além do Ministério Público (MP).

Torezan explica que o laboratório auxilia o MP na elaboração de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC), aplicados a empresas que cometem infrações ambientais. O auxílio também prevê o acompanhamento da execução de ações previstas no TAC. "Atendemos muitas organizações, de forma pontual em projetos específicos".

A cooperação permanente do Labre, de acordo com o professor, é realizada com a ONG Meio Ambiente Equilibrado (MAE).

Caminho Das Antas

Ele destaca o projeto Caminho das Antas, focado na anta, que tem um importante papel por ser um dispersor natural de sementes. A anta propaga plantas nativas a partir das fezes.

"Ela é uma espécie bandeira, importante e sensível. Quando se foca em uma espécie dessas, todo o meio ambiente ganha". Bandeira é a expressão usada para se referir a espécies que se tornam símbolos e alertam para outros problemas ambientais, sejam de outras espécies animais ou ecossistema.

Nesse sentido, a ação no Caminho das Antas passa por recuperar diferentes áreas de mata atlântica, além de planejar os espaços entre uma área e outra, criando os chamados corredores ecológicos.

"A anta vai de uma mata a outra, buscando recursos. Ela passa por plantações e propriedades rurais. O projeto de corredor ecológico é, no fundo, fazer a manutenção do meio ambiente", afirma Torezan.

Parceiro

Gustavo Góes, presidente da ONG MAE, destaca a parceria de longa data com o Labre, que contribui com assessoria técnica e fornecimento de mudas para a restauração de ambientes degradados.

Ele explica que a ONG oferece a empresas e, também a pessoas físicas, a compensação de carbono, gás de efeito estufa. A compensação é realizada com o plantio e manutenção de mudas de espécies nativas.

"Já desenvolvemos junto de empresas e do Labre a recuperação de área degradada dentro da Fazenda Escola da UEL, ligando a mata do horto ao Ribeirão Esperança. Foram mais de 20 mil mudas de árvores nativas que hoje formam um corredor ecológico, facilitando o fluxo da fauna e da flora", diz Góes.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.