Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ncom/PML

A Prefeitura de Londrina, através da Secretaria do Ambiente (Sema), divulgou hoje (6), o balanço da operação de fiscalização das empresas de lava-rápidos da cidade. Das nove vistoriadas pelos técnicos, cinco foram notificadas por apresentarem problemas técnicos. 

As empresas desse ramo precisam ter caixas retentoras de lama, óleo e graxa para impedir que estas substâncias entrem em contato com a rede pluvial de captação de águas. Os reservatórios evitam que os produtos oleosos contaminem as águas dos lagos Igapó 1,2,3 e 4.

Os empreendimentos foram notificados devido à falta desses poços retentores ou por não apresentarem alvará de licença da Prefeitura para funcionamento. Após a notificação e o parecer técnico entregue pelos fiscais da Sema, as empresas têm sete dias para se adequarem. 

Estão envolvidos na operação duas equipes de três técnicos cada. A Sema visa fiscalizar os lava-rápidos, a fim de prevenir que não ocorram crimes ambientais. A proibição de despejo de água residual em redes coletoras de água fluvial está prevista no Código Ambiental do Município.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.