Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Lago Cabrinha contará com realocação de pedras que possibilitarão a criação de degraus com níveis diferentes, que ajudarão a dissipar a energia das águas que ali desaguam

Nesta quinta-feira (20), às 10 horas, o prefeito Marcelo Belinati e o secretário executivo-adjunto do ICLEI América do Sul, Rodrigo Corradi, vão fazer o lançamento do projeto demonstrativo de “Soluções Baseadas na Natureza”, no Lago Cabrinha, zona norte da cidade. Para quem quiser acompanhar o anúncio que acontece no gabinete do prefeito, haverá a transmissão on-line do lançamento pela página do Facebook da Prefeitura de Londrina (https://www.facebook.com/prefeituradelondrina/).

O projeto demonstrativo no Lago Cabrinha faz parte da iniciativa do INTERACT-Bio do ICLEI América do Sul, do qual a Região Metropolitana de Londrina faz parte desde 2017. O objetivo da organização é apoiar os governos locais de diversos países do mundo, para o correto aproveitamento da natureza em prol da conservação da biodiversidade e dos ecossistemas e da sustentabilidade ambiental e econômica.

Pensando nisso, a etapa final do programa INTERACT-Bio contemplou o Lago Cabrinha, local escolhido pelo próprio prefeito Marcelo Belinati para receber o projeto. Assim, utilizando-se de soluções baseadas na natureza, como o próprio nome diz, o local receberá algumas intervenções. Entre elas, as pedras rachão existentes no lago serão manualmente realocadas e rearranjadas, para formarem pequenas piscinas, delimitadas por alguns degraus. Às margens, as pedras continuarão fazendo seu papel de contenção. A intenção é dissipar a energia da água, que chega das galerias do sistema convencional de drenagem pluvial.

O projeto prevê, ainda, a instalação de uma biomanta de contenção, que se trata de uma tela de vibras vegetais de várias espécies, que são plantadas por meio da técnica de fitorremediação. Com esse processo, espera-se usar as plantas como agentes de purificação do lago, que pode estar contaminado ou poluído por depósito de substâncias orgânicas e inorgânicas.

Com essas medidas, a Prefeitura de Londrina busca reduzir o deslizamento de terra nas margens do córrego, que banha o Lago Cabrinha, assim como diminuir o assoreamento do mesmo. Outra pretensão é a mitigação dos efeitos da degradação ambiental no Córrego Cabrinha, vindos da poluição difusa; e a otimização da capacidade do sistema de drenagem com a realocação das pedras, que ajudarão a diminuir o volume e a velocidade da água da chuva.

Segundo o presidente do IPPUL, Tadeu Felismino, desde 2017, quando Londrina foi aprovada para a parceria com o ICLEI América do Sul, o Município vem debatendo soluções inovadoras, que levem em consideração os recursos naturais. “A parceria do Município de Londrina com o ICLEI é uma conquista importante para a  cidade. Hoje, o mundo inteiro busca o conceito de sustentabilidade baseada em soluções da própria natureza, ou seja, ligadas à ideia de que a própria natureza pode se defender. Isso pode ser visto no manejo de pedras, no replantio de espécies vegetais nativas e do uso das técnicas especiais, que visam frear o volume de água no lago e a poluição no local. Esse projeto demonstrativo servirá como uma vitrine de Londrina para o Brasil e outras cidades do mundo inteiro”, explicou o presidente do IPPUL.

Para a elaboração dessas medidas demonstrativas, a empresa paulista Guajava Arquitetura da Paisagem e Urbanismo foi contratada pelo ICLEI América do Sul para desenhar o projeto. Ele custou €$ 40 mil, ou seja, mais de R$ 250 mil, que foram viabilizados pelo ICLEI junto ao Ministério do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear do Governo Alemão.

Sobre o ICLEI

O ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade é uma rede global formada por mais de 2.500 governos locais e regionais e está presente em mais de 125 países. A sede geral fica na Alemanha e a sede da América do Sul está em São Paulo (SP). Além de Londrina, outras duas cidades fazem parte do ICLEI que são Campinas e Belo Horizonte. Em Londrina, a iniciativa é conduzida pela Secretaria Municipal de Ambiente (SEMA) e pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (IPPUL).

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.