Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Meio Ambiente 07/11/2011  15h47

Londrina sedia Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental

Saneamento no Brasil é um dos temas em debate e destaca indicadores locais

Palestra de abertura do evento contou com palestra do superintendente executivo da GAIS Ambiental, Edison Carvalho

Aberto na noite de ontem (6), em Londrina, o II Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental combina sessões técnicas, palestras, mesas redondas e visitas técnicas abordando temas como gestão de resíduos sólidos, saneamento e gestão de áreas verdes. O evento, que vai até a quarta-feira (9), no campus Piza da Universidade Norte do Paraná (Unopar), traz profissionais experientes em gestão ambiental ligados à Agência Nacional de Águas (ANA), à Embrapa e ao Ibama, vindos de Brasília, e à ABNT, do Rio de Janeiro, além de instituições de ensino do Paraná e também da Emater e da Sanepar.

Na tarde dessa segunda-feira (7), a mesa redonda Saneamento e Recursos Hídricos terá a participação da superintendente de Fiscalização da ANA, Flávia Gomes de Barros, para falar sobre as políticas e ações da agência no país, além do gerente de assessoria de Planejamento e Desenvolvimento Ambiental da Sanepar, Pedro Luis Prado Franco, que falará sobre a gestão dos sistemas de água e esgoto no Paraná, e do professor Dr. André Celigoi, do departamento de Geociências da UEL, que vai tratar especificamente da gestão de águas subterrâneas.

De acordo com a coordenadora do curso de Tecnologia em Gestão Ambiental da Unopar, Cláudia Ciappina Feijó, que também preside a comissão organizadora do congresso, o evento

pauta gestão ambiental levando em conta o tripé da sustentabilidade, ou seja, aspectos econômicos e sociais, além do meio ambiente. Entre os indicadores que permeiam as discussões dessa segunda-feira estão os índices de saneamento e o índice de desenvolvimento humano (IDH). “Quanto mais se investe em saneamento mais temos impactos positivos e a melhora da saúde pública e do meio ambiente, principalmente em função da coleta e do tratamento de esgoto”, destaca. Cláudia cita o exemplo da cidade de Londrina onde o esgoto é 100% tratado pela Sanepar. “Enquanto temos indicadores no Brasil de 50% de coleta e 34% de tratamento de esgoto, uma cidade como Londrina recebe obras importantes que garantem um indicador próximo dos 90% de coleta, sendo que tudo o que a Sanepar coleta ela trata”, ressalta. 

Entre as diferentes temáticas que serão discutidas nos quatro dias de evento, Cláudia comenta sobre a importância especialmente para gestão ambiental nos municípios brasileiros. “Vamos debater aqui assuntos de interesse de todos em busca de oferecermos caminhos para resolver passivos ambientais, como os que se acumulam pelas prefeituras de todo o país, com respeito ao destino correto para os resíduos sólidos”, comenta. “Este é um fórum para tratar de gestão ambiental e engloba vários aspectos que outros eventos não englobaram até o momento”, pontua.

De acordo com presidente do Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais e de Saneamento (IBEAS), promotor do evento, Carlos Rino, o objetivo do Congresso é discutir os problemas e apresentar propostas para melhorar também o ensino da Gestão Ambiental, além de focar a questão do mercado de trabalho. “Alguns cursos de graduação em Gestão Ambiental no Brasil tratam o assunto como sinônimo de natureza somente, outros buscam mais o lado urbano, com os diversos problemas das cidades e outros ainda tem um foco voltado para a certificação de empresas. Acredito que esta amplitude de opções pode gerar uma certa dificuldade na hora de o profissional ser inserido no mercado de trabalho”, comenta.

Números

No total serão 18 palestras e mesas-redondas, todas realizadas no período da tarde. Durante as manhãs estão sendo apresentados 152 trabalhos técnicos, o dobro do número de trabalhos apresentados em 2010 na primeira edição do Congresso. Além destas atividades, estão previstas visitas técnicas no Ecovillas do Lago, na Estação de Tratamento Sul da Sanepar, Café Iguaçu (Cornélio Procópio) eCemitério Parque das Alamandas, todas no período da manhã, nos dias 08 e 09 de novembro.

Entre os cerca de 300 participantes, estão estudantes e profissionais de vários estados, como Bahia, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rondônia e Pará.

Organização

Além do corpo técnico do IBEAS, a organização do II Congresso de Gestão Ambiental envolveu professores da Unopar, Universidade Estadual de Londrina, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, e profissionais da Emater e Sanepar. Professores da Universidade Federal de São Carlos, que também colaboraram na avaliação dos trabalhos técnicos.

II Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental em Londrina aberto na noite desse domingo, 6, em Londrina, norte do Paraná

(Giovanna Galleli/Asimp)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios