Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Animais carismáticos e que utilizam espaços relativamente grandes como habitat, as espécies foco do novo plano de ação para mamíferos aquáticos amazônicos serão importantes para a conservação de toda a vida aquática da região

O plano nacional de conservação de mamíferos aquáticos da região amazônica ameaçados de extinção, aprovado na segunda-feira (21) pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) estabelece metas e propostas para a conservação de lontras, ariranhas, botos cor-de-rosa, botos-cinza (tucuxis), botos-do-araguaia e peixes-boi, seis mamíferos aquáticos conhecidos da região. O documento tem o potencial de ajudar a proteger a fauna e flora aquáticas de toda a bacia amazônica.

Nesse novo plano, são estabelecidas cinco metas a serem buscadas pelos pesquisadores e conservacionistas no país:

•          Redução dos conflitos entre mamíferos aquáticos e atividades pesqueiras;
•          Redução da pressão de caça sobre os mamíferos aquáticos;
•          Promoção da integridade dos habitats críticos para os mamíferos aquáticos;
•          Aumento do conhecimento sobre a dinâmica populacional, ecologia, interações com humanos e saúde dos mamíferos aquáticos;
•          Promoção da educação ambiental e do engajamento da sociedade voltados à conservação de mamíferos aquáticos, influenciando políticas públicas.
As metas deverão ser postas em prática nos próximos cinco anos, objetivando melhoras nos números das espécies e redução das mortes acidentais, pela caça e por conflitos com seres humanos. As seis espécies podem ser consideradas “guarda-chuvas” da biodiversidade local, por serem espécies (excetuando-se o peixe-boi) de topo de cadeia - todo o ecossistema no qual estão inseridas é influenciado pela presença desses animais. Quando se realiza a conservação deles, se está conservando muitas outras espécies que compartilham o mesmo ambiente.

Um plano muito mais focado
“O ICMBio resolveu compartimentalizar melhor nesse plano. ”, ressalta a Dra. Miriam Marmontel, oceanógrafa e pesquisadora do Instituto Mamirauá que há mais de 30 anos trabalha com mamíferos aquáticos. “Eu fiquei muito satisfeita, o plano está muito focado. ”
A pesquisadora representou o Instituto Mamirauá, unidade de conservação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, na reunião que discutiu e projetou o novo plano no início de 2018, reunindo diversos representantes de instituições como o ICMBio, o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Amazônica (CEPAM), o Instituto Nacional de Pesquisas Amazônicas (INPA), o Museu Paraense Emílio Goeldi, o Centro de Mamíferos Aquáticos (CMA), o WWF-Brasil, o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Ministério de Minas e Energia (MME) e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Amazonas (SEMA), além de outros especialistas, em áreas diversas, da sociedade civil.

“Discutimos melhor as ameaças e as ações que queríamos fazer. ”, explica Miriam. “É um plano de ação, então tem que ser estratégico, direcionado para manejo e conservação. O objetivo principal é melhorar a conservação, reduzindo a mortalidade. A visão de futuro é para 30 anos, com monitorias semestrais e avaliações anuais. ”
O posicionamento do governo em relação à conservação dessas espécies deve facilitar a captação dos recursos necessários para a execução das metas em editais e junto à sociedade civil. “O plano, estando publicado, é uma alavanca para apresentarmos projetos a essas fontes de financiamento. ”, revela Miriam.

 “No âmbito da pesquisa, é importante focarmos no que vale diretamente para a conservação: sabermos a tabela de vida, reprodução, idade, mortalidade. Esses fatores são muito importantes para descobrirmos a dinâmica populacional e projetarmos como uma espécie pode evoluir no futuro, se ela vai sobreviver ou não, considerando as ameaças às quais elas estão sujeitas. ”, afirma a pesquisadora. “As pessoas que fazem parte desse grupo são bem engajadas. Nesse sentido, temos muito para avançar. As espécies precisam disso. ”
Bernardo Oliveira/Asimp/ Instituto Mamirauá

Clique nas fotos para ampliar

O boto cor-de-rosa é uma das espécies que constam no plano de conservação - Foto: Everson Tavares
Ariranhas estão entre os mamíferos foco do plano do ICMBio - Foto: André Coelho
Boto tucuxi com filhote - Foto: Bernardo Oliveira

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.