Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Foco da proposta que deve ser votada na Câmara dos Deputados é uniformizar leis e trazer avanço econômico sem desproteger meio ambiente

O projeto que cria a Lei Geral de Licenciamento Ambiental (PL 3.729/04) deve ser votado no plenário da Câmara dos Deputados na segunda quinzena de março. A previsão é do relator da proposta, deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP).

Entre outros pontos, a norma estabelece que União, estados e municípios, respeitadas as respectivas competências, definirão as atividades ou empreendimentos sujeitos a licenças ambientais, de acordo com porte e potencial poluidor. Os termos de referência (TR) para estudos ambientais, uma espécie de laudo técnico emitido por órgãos fiscalizadores, devem seguir padrões e critérios específicos. O relatório de Kataguiri dispensa licenciamento, por exemplo, de atividades agrícolas de baixo impacto, ou seja, que não agridam o meio ambiente.

“Os principais procedimentos estarão nas leis federais e os estados vão poder escolher, entre os procedimentos previstos na lei, o que vão querer aplicar para as suas realidades locais. Isso, sem dúvida, vai destravar diversos empreendimentos”, ressalta Kataguiri, que aponta a desburocratização como foco principal do projeto. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), atualmente, o licenciamento ambiental no Brasil é regido por mais de 27 mil normas federais e estaduais. Nos estados, o prazo para a obtenção da licença exige três fases de análises e pode demorar até sete anos.

Criticada por ambientalistas por supostamente dar “carta branca” para o desmatamento, a proposta que normatiza as regras de licenciamento, segundo o advogado e professor de Direito Ambiental da Universidade Católica de Santa Catarina, Leonardo Papp, mantém como obrigatória a prevenção ao dano ambiental”, baseada em “análise integrada dos impactos e riscos ambientais”.

O especialista pondera que o projeto em discussão na Câmara deve ser visto como um ponto de equilíbrio entre proteção ambiental e desenvolvimento econômico. “Para atividades econômicas, é necessário interferir no meio ambiente e o licenciamento é o mecanismo que temos para fazer isso da forma mais equilibrada possível. Equiparar o licenciamento com qualquer medida extrema é um exagero, um equívoco”, avalia.

Seguindo essa linha, Kim Kataguiri garante que a Lei Geral de Licenciamento não contraria o que determina o Código Florestal no que diz respeito, por exemplo, à preservação de áreas com cobertura de vegetação nativa em propriedades rurais.

“Estão tentando confundir licenciamento ambiental com desmatamento. Uma coisa não está diretamente relacionada a outra. O licenciamento serve para diminuir os impactos de uma atividade que causa impacto ambiental e social, e isso é compensado de alguma maneira”, defende.

Desastres ambientais

Quem é desfavorável ao PL 3.729/2004 também sugere que o marco legal do licenciamento dá brechas para que outros desastres ambientais se repitam.

Para Leonardo Papp, o texto, na verdade, possibilita que os profissionais de órgãos ambientais tenham mais tempo para fiscalizar e impedir a liberação de empreendimentos ou atividades que coloquem o meio ambiente em risco. Isso, na visão dele, é um “gatilho de prevenção” a novas tragédias, como a que ocorreu em Brumadinho (MG). “Precisamos de um ambiente regulatório ao empreendedor para que ele saiba quais são as obrigações que têm e pelas quais ele será cobrado”, indica.

Sobre esse ponto, Kataguiri afirma que seu relatório prevê ações de controle e monitoramento ambiental, além de estabelecer critérios para a instalação e operação em obras de infraestrutura, por exemplo.

“Estamos criando essa lei que vai ajudar a normatizar a questão do licenciamento. Ao mesmo tempo, vamos ter mais fiscais na rua e analisando menos papelada, o que vai ajudar na política de combate ao desmatamento”, acrescenta o parlamentar.

Licença declaratória

Uma das modalidades de licenciamento ambiental previstas no novo marco regulatório é a licença por adesão e compromisso (LAC), também conhecida como licença declaratória. Esse modelo permite que uma empresa ou produtor rural encaminhe pela internet a documentação exigida para a avaliação ambiental da atividade. Caso todos os requisitos legais sejam cumpridos, a licença é emitida automaticamente.

Esse tipo de autorização, segundo Papp, torna mais barato e dá mais agilidade ao processo de licenciamento para atividades que, individualmente, não causam grandes impactos no meio ambiente.

“É um instrumento que pode priorizar os recursos humanos escassos para o que, efetivamente, justifiquem medidas mais drásticas. Isso sem abrir mão de tratar de maneira dura os que não comprem a legislação e, ao mesmo tempo, não gerar ônus aos que são sérios, em um moroso processo de licenciamento ambiental”, compara o professor.

Para o deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS), o tempo que se perde nos processos de licenciamento ambiental também gera custos extras e impede o andamento de obras importantes para a população, como as de saneamento básico. Por isso, o parlamentar entende que as atividades de baixo impacto devem ter as licenças emitidas rapidamente pelos órgãos fiscalizadores.

“Tem que se tirar completamente a burocratização, não fazer o cidadão gastar tanto tempo correndo atrás de documentos e aguardando o licenciamento, quando se sabe que a atividade é de baixo impacto”, observa Moreira.

Marquezan Araújo/Agência do Rádio

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.