Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

AEN

O secretário estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Jonel Iurk, afirmou na terça-feira (19/06), no Rio de Janeiro, que o governo paranaense tem como meta recuperar até um milhão de hectares de florestas nativas nos próximos 20 anos. Ele destacou que o Estado vem adotando medidas inovadoras para a conservação das riquezas naturais e que o trabalho foi reforçado com o lançamento do programa Bioclima Paraná.

Iurk participou do painel “Casos de Sucesso na Economia Verde - Ecossistemas, Florestas e Água”, apontando iniciativa do Paraná como a resposta do Estado para a conservação da biodiversidade em seu território. O painel fez parte da programação da Cúpula Mundial dos Estados e Regiões, um dos eventos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

Durante sua explanação, Iurk explicou que Paraná possui apenas 2% do território nacional, mas é responsável por cerca de 20% da produção agropecuária do Brasil e produz cerca de 30% da energia elétrica de todo o país. Iurk afirmou que o modelo de desenvolvimento construído a partir da segunda metade do século XX teve como consequência uma perda de 90% da cobertura florestal no Bioma Mata Atlântica.

O secretário afirmou que o programa Bioclima foi elaborado para ajudar na reversão deste quadro. “O Governo do Paraná quer incrementar de forma determinada ações voltadas à conservação da biodiversidade no território estadual e procedimentos de adaptação e mitigação às mudanças climáticas”, disse Iurk.

Compromissos

O secretário Iurk reafirmou os compromissos para fazer frente aos desafios do desenvolvimento sustentável, estabelecidos pelo governador Beto Richa na área ambiental com o Programa Bioclima. “Nossa intenção é promover incentivos econômicos inovadores, com especial ênfase ao Pagamento por Serviços Ambientais, de forma a contribuir para a conservação e uso sustentável da biodiversidade e a repartição justa de seus benefícios para os proprietários rurais, promovendo a obtenção de renda com a conservação dos ambientes naturais”, disse Iurk.

Outra meta a ser atingida, segundo o secretário, é a de aportar recursos financeiros de fontes nacionais e internacionais para a execução do Programa Bioclima Paraná, dando prioridade ao estabelecimento de processos de gestão integrada em áreas prioritárias para conservação do Bioma Mata Atlântica. Como exemplo concreto, ele citou os valores de outorgas dos serviços de inspeção veicular destinados ao monitoramento dos gases de efeito estufa, que serão integralmente destinados ao programa.

“Também vamos fortalecer a Política Estadual de Recursos Hídricos, fomentando a implantação dos Comitês de Bacias Hidrográficas. Atualmente já temos oito comitês em funcionamento num universo de 12 possíveis”, disse. De acordo com Iurk, em 2012 será concluída a elaboração de sete Planos de Bacias Hidrográficas. “É um instrumento de planejamento para ações futuras de preservação dos recursos hídricos paranaenses e será criado de forma descentralizada, participativa e integrada, permitindo ampla participação social”, disse o secretário.

Em relação ao papel dos governos regionais nas questões de desenvolvimento sustentável, o secretário disse acreditar que é importante que os Estados possam realizar iniciativas que sirvam de exemplo para as nações. “Temos o compromisso de promover capacitação técnica, pesquisa, geração e intercâmbio de conhecimento, com outros estados do Brasil e do mundo”, destacou. Para ele, é fundamental a participação paranaense na Rede Mundial de Governos Subnacionais para o Desenvolvimento Sustentável.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios