Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Instituto Água e Terra do Paraná e a Superintendência do Ibama no estado deverão manter em suas atividades fiscalizatórias a aplicação da Lei da Mata Atlântica (Lei 11.428/2006) para a proteção do bioma, abstendo-se de utilizar previsões de anistias existentes no Código Florestal. A determinação, em caráter liminar, foi expedida nesta quarta-feira, 5 de agosto, pela 11ª Vara Federal de Curitiba, que atendeu pedidos feitos por meio do Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente, Habitação e Urbanismo (Gaema) da Região de Curitiba e da Promotoria de Justiça do Meio Ambiente de Curitiba – unidades do Ministério Público do Paraná – e da Procuradoria da República da Capital em ação civil pública.

A medida judicial foi motivada pela edição de ato do Governo Federal (Despacho 4.410/2020 do Ministério do Meio Ambiente), em abril deste ano, que admitia a possibilidade de aplicação da consolidação de desmatamentos previstos no Código Florestal (Lei 12.651/2012) ao bioma Mata Atlântica. Mesmo o despacho – que foi resultado de forte pressão do setor econômico e do agronegócio, de acordo com avaliação do MPPR e do MPF – tendo sido posteriormente revogado, havia o risco de os órgãos ambientais continuarem adotando-o em suas decisões. Além disso, a manutenção da ação civil mesmo após a revogação do ato federal decorreu da negativa dos órgãos ambientais estaduais em acatar recomendação administrativa que havia sido expedida pelos Ministérios Públicos para a aplicação da especialidade da legislação que trata do bioma Mata Atlântica.

Com a recente decisão, que confere maior segurança jurídica às ações de proteção ao meio ambiente, em especial ao bioma Mata Atlântica, tanto o Ibama quanto o IAT não poderão cancelar autos de infração ambiental, termos de embargos e interdição e termos de apreensão lavrados no estado a partir da constatação de supressão, corte ou utilização não autorizados de remanescente de Mata Atlântica, com base nos dispositivos do Código Florestal que preveem anistia a estes desmatamentos em áreas de preservação permanente.

Autos: 5023277-59.2020.4.04.7000

Asimp/MPPR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.