Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A atuação do Ministério Público do Paraná na fiscalização das ocorrências de desmatamento da Mata Atlântica será incrementada com a adoção de moderna ferramenta que permite a obtenção de imagens de alta precisão em praticamente tempo real, o MapBiomas. A utilização da plataforma, desenvolvida a partir de cooperação entre universidades, organizações não-governamentais e empresas de tecnologia, foi viabilizada pela assinatura, ontem, 27 de maio – data em que se comemora o Dia Nacional da Mata Atlântica –, de termo de cooperação entre o MPPR e a Fundação SOS Mata Atlântica.

Primeiro Ministério Público do país a celebrar parceria semelhante, o MPPR utilizará a nova tecnologia nas ações de monitoramento, passando a obter, de forma mais célere, laudos de constatação de desmatamentos. Os documentos permitirão a atuação rápida e eficaz dos órgãos públicos de fiscalização, entre eles o próprio Ministério Público.

Desaceleração

Os dados mais recentes divulgados apontam para uma desaceleração no ritmo de desmatamento do bioma em todo o país – uma queda de 9,3% no período 2017/2018. Os números fazem parte da última atualização do Atlas da Mata Atlântica, iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe), que realiza o monitoramento desde 1985. De acordo com o relatório, no último ano, foram destruídos 11.399 hectares (113 km²) de áreas de Mata Atlântica acima de 3 hectares nos estados que registram a ocorrência do bioma. No ano anterior, o desmatamento tinha sido de 12.562 hectares (125 km²). Dos 17 estados abrangidos pela Mata Atlântica, nove estão no nível de desmatamento zero.

Paraná

No entanto, também de acordo com o mesmo balanço, no estado do Paraná, embora o ritmo do desmatamento tenha diminuído nos últimos anos, foi registrado no mesmo período (2017/2018) um aumento de 25% da área desmatada. No período de 2013/2014 o aumento do desmatamento no estado foi de 116% e em 2015/2016, de 74%. Já no período de 2016/2017, houve um decréscimo de 58% no mesmo índice. Na avaliação do promotor de Justiça que atua no Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção ao Meio Ambiente e de Habitação e Urbanismo do MPPR, Alexandre Gaio, a diminuição das ocorrências de desmatamento resulta de diversos fatores, entre eles as ações de monitoramento sistemático e de combate à prática criminosa, como a Operação Mata Atlântica em Pé, realizada em 2018 e coordenada nacionalmente pelo Ministério Público do Paraná, contando com a atuação articulada de Ministérios Públicos e órgãos ambientais de 15 unidades da federação. Realizada entre os dias 10 e 14 de setembro do último ano, a operação fiscalizou 517 propriedades a partir de imagens de satélite, tendo registrado ao final a apreensão de 7.467 metros cúbicos de madeira (o equivalente a 870 caminhões carregados) e a emissão de multas no valor total de R$ 20.640.112,00. Durante os cinco dias de operação, foi confirmado o desmatamento de 5.285 hectares de mata e adotadas as providências iniciais para responsabilização dos envolvidos.

Para Alexandre Gaio, os índices de desmatamento no Paraná ainda são altos e devem-se à notória desestruturação do órgão ambiental estadual de fiscalização, além dos desmatamentos autorizados que representam parcela significativa desse aumento. “Tal contexto reforça a necessidade de ferramentas como o MapBiomas, que permitirá uma atuação mais ágil, eficiente e estratégica dos órgãos de fiscalização, entre eles o próprio Ministério Público”, concluiu.

Asimp/MPPR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.