Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Governo do Paraná criou o Plano Estadual de Controle da Poluição do Ar e de Proteção da Atmosfera (Proepar), que compreende ações para aprimorar o controle de emissões atmosféricas poluentes. Uma resolução conjunta da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos e o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), criando o Proepar, foi assinada pela governadora em exercício Cida Borghetti, em solenidade no Palácio Iguaçu, ontem (19). 

Cida explicou que as ações do Plano Estadual garantirão mais qualidade do ar para a saúde humana. “Com o plano em prática, o Paraná terá padrões mais rígidos para o controle da qualidade do ar e será o segundo estado do País a iniciar os trâmites para atender os padrões da Organização Mundial da Saúde”, disse. 

Ela também ressaltou que o Paraná se destaca no desenvolvimento de políticas públicas para controle de emissão de gases poluentes de fontes fixas (empresas e indústrias) e no monitoramento da qualidade do ar. “O Paraná está sempre na vanguarda, seja com soluções tecnológicas ou projetos de gestão intersetoriais para proporcionar mais qualidade de vida à população”, afirmou.

MAIS RESTRITIVOS - O Plano Estadual dá continuidade aos avanços do Paraná na Gestão e Monitoramento da Qualidade do Ar e Emissão Atmosférica, além de regulamentar a Lei Estadual nº 13806/2002. Entre as ações do Proepar, está o estabelecimento de padrões mais restritivos para a emissão de poluentes em diversas atividades econômicas. Com isso, o Paraná inicia os trabalhos para atender os padrões da OMS.

Atualmente o Estado utiliza como referência padrões que são estabelecidos pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), que são menos restritivos e não necessariamente representam a condição de qualidade do ar para a saúde humana.

AMPLIA A REDE - O Proepar também regulamenta a ampliação da rede de monitoramento da qualidade do ar administrada pelo IAP, de oito para 14 estações. O Governo do Estado já iniciou o processo de ampliação e investiu R$ 6 milhões na aquisição de estações nos municípios de Paranaguá (inaugurada em 2016), Foz do Iguaçu, Ponta Grossa, Cascavel, Maringá eLondrina. Uma das unidades é temporária e pode ser levada para qualquer município do Estado. 

Desde 2014, o Paraná é o segundo estado do Brasil a transmitir a qualidade do ar nas estações de monitoramento automático em tempo real. As informações são atualizadas no site do IAP de hora em hora. “Temos um instrumento mais ágil e mais rápido, que permite o controle do ar do Estado em tempo real. A ampliação desta rede possibilita também o controle de doenças transmitidas pelo ar”, afirmou o diretor-presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto. 

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Antônio Carlos Bonetti, também enfatizou a importância da ampliação da rede. “Este é um projeto que serve de modelo para o País, pois temos a possibilidade real de medir a qualidade do ar e adotar soluções rapidamente, caso detectemos alguma variação”, disse. 

INVENTÁRIOS – O Plano Estadual também determina a produção de inventários de fontes e emissões, relatórios de qualidade do ar no Estado (que já são produzidos periodicamente pelo IAP) e o desenvolvimento de um programa de emergências para episódios críticos de poluição atmosférica, classificação de áreas quanto à qualidade do ar e programa de prevenção da qualidade do ar em Unidades de Conservação. 

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.