Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Na quarta-feira (24) comemorou-se o Dia da Araucária. A árvore símbolo do Paraná, ameaçada de extinção, tem um grande aliado para garantir sua continuidade. Todos os anos, antes do início do inverno, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) começa os trabalhos de coleta das sementes da árvore e faz o plantio para produzir mudas da espécie que, mais tarde, serão distribuídas gratuitamente para a população.

Ao todo, são produzidas e distribuídas aproximadamente 100 mil mudas nas regiões onde originalmente há ocorrência ou histórico de araucárias. Depois do crescimento e de atingir a fase adulta, as árvores passam a produzir novas sementes, o pinhão, que serve de alimento para muitas espécies da fauna e é ingrediente de receitas típicas do Sul do País.

Produção

Em 2015, mais de uma tonelada de pinhão se transformará em 110 mil araucárias. Parte destes pinhões que viram mudas nas mãos dos viveiristas vem da coleta, quando eles escalam as árvores pesquisadas e cadastradas chamadas de matrizes (mães). Outra parte das sementes é adquirida de produtores do fruto.

As regiões fornecedoras de sementes são Curitiba, Francisco Beltrão, Irati, Guarapuava, Pitanga, Ponta Grossa, Pato Branco, Cascavel e União da Vitória. Nestas mesmas regiões estão dez dos 20 viveiros do IAP onde se produz e são entregues as mudas de araucária para a população. “Como estratégia de conservação da diversidade biológica, cada viveiro tem como foco a produção de espécies de suas regiões. A araucária tem suas áreas de ocorrência natural e são nelas que devem ser plantadas”, explica a bióloga Maria Cecília de Oliveira Bastos, coordenadora dos viveiros do IAP.

São colhidos apenas pinhões de pinhas com características de maturação, quando começa a ocorrer naturalmente a liberação da semente. Para virar muda de qualidade, após coleta do pinhão, as sementes são enviadas para o laboratório para serem beneficiadas, analisadas a pureza e germinação. Só depois elas são liberadas e distribuídas para produção das mudas.

Após o processo, os pinhões são colocados em substrato com adubação em tubetes. Da germinação até pouco antes de ficar pronta para o plantio, a produção das araucárias é feita dentro de estufa e aos poucos elas vão sendo adaptadas para irem para o campo.
Como adquirir mudas nativas dos viveiros do IAP

Mudas de espécies florestais nativas para recuperação das áreas degradadas e alteradas, áreas de preservação permanente, reserva legal, unidades de conservação e outras.
Quem pode receber muda?
Qualquer pessoa interessada no plantio de árvores nativas ou produtores rurais que queiram recuperar as áreas degradadas e alteradas de suas propriedades.
Como fazer?
Basta entrar no site do IAP (www.iap.pr.gov.br) e clicar no ícone “Requerimento de Mudas Nativas”, ou diretamente no site www.sga.pr.gov.br e fazer o cadastramento.
Após preencher e enviar os dados, os requerimentos passam pela analise do IAP, e após aprovado o pedido o requerente receberá um e-mail informando o viveiro que irá atendê-lo.
O solicitante deve imprimir duas guias do requerimento e levar até o viveiro para retirar as mudas e, claro, plantar.

Asimp/IAP

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios