Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, vai propor à Assembleia Legislativa projeto de lei referente à implantação de uma política pública para florestas plantadas, setor que tem grande importância e potencial de expansão no Estado. 

O projeto vai detalhar as principais diretrizes para a elaboração de um Plano Estadual de Conservação e Produção Florestal. 

A previsão é que num futuro próximo o setor de florestas plantadas vai agregar algo em torno de 600 mil hectares à base florestal já existente, que hoje está ao redor de 1,2 milhão de hectares. Para organizar essa expansão estão em discussão, com o Legislativo, as estratégias que devem ser adotadas no Estado. 

Entre elas está a introdução do componente florestal nos sistemas produtivos tradicionais e ainda a recuperação de áreas degradadas com florestas plantadas e sistemas silvipastoris. Outra estratégia será intensificar a adoção de técnicas de desenvolvimento rural sustentável como a integração lavoura-pecuária-floresta ou sistemas agrossilvipastoris nas cadeias produtivas de grãos, leite, carnes e frutas.

Norberto Ortigara reuniu-se semana passada com os deputados Elio Rush, Pedro Lupion e Claudio Palozi (do Bloco Parlamentar de Agropecuária da Assembleia Legislativa), que trataram do encaminhamento da proposta. Participaram também da reunião o diretor-presidente do Instituto de Florestas do Paraná (IFPR), Benno Doetzer, o coordenador de produção florestal da Emater, Amauri Ferreira Pinto, o supervisor de execução do IFPR, Davi Pinezi e o diretor executivo da Associação Paranaense das Empresas de Base Florestal, Carlos Mendes.

Foi apresentado ao secretário o resultado de um trabalho iniciado em maio deste ano por solicitação do deputado Claudio Palozi, que contou com a participação de 30 entidades públicas e privadas ligadas ao setor florestal do Estado, fruto de uma audiência pública convocada pelo Bloco Parlamentar.

Neste trabalho consta um diagnóstico do setor florestal estadual, que aponta os gargalos e potencialidades. Segundo o engenheiro florestal da Emater, Amauri Ferreira Pinto, a produção de madeira ocupa o terceiro lugar no ranking de produtos exportados pelo Estado, ficando atrás apenas das exportações de grãos e proteína animal. 

Para o extensionista, o modelo de expansão do cultivo de florestas, que está sendo proposto no projeto de lei, contempla as pequenas e médias propriedades rurais, que podem adotar como sistema de cultivo o mosaico florestal ou em sistemas integrados a pastagens e a agricultura tradicional. Esses sistemas ajudam a reduzir os impactos ambientais e contribuem para a conservação dos solos e produção e manutenção de água, além de dividir os benefícios econômicos da atividade.

“Precisamos aumentar a produção de madeira sem diminuir a produção de grãos, de frutas, de olerícolas, de carne e de leite. Tecnologias e alternativas para isso existem e precisam ser difundidas aos produtores”, disse o extensionista. 

Segundo Ferreira Pinto, o Paraná é pioneiro na implantação de sistemas de integração lavoura, pecuária e floresta, com tecnologia desenvolvida no Estado. “ Por isso é importante transformarmos tudo isso em políticas públicas para atendermos as demandas do mercado e tornarmos a atividade economicamente confiável para o produtor”, explicou.

Essas informações serviram como base para as ações propostas, que tiveram como foco principal a consolidação do setor de florestas plantadas como atividade produtiva e sob responsabilidade do Sistema Estadual de Agricultura. 

O grande desafio será a equalização da oferta de produtos florestais madeireiros e não madeireiros à demanda crescente no Estado, tendo em vista o seu papel estratégico próprio dentro do contexto econômico e social, como também nas demais cadeias produtivas como a de grãos e aves, onde a madeira ainda é a principal fonte energética na produção e beneficiamento.

O mesmo projeto de lei deverá, ainda, ajustar a lei florestal do Estado, que é de 1995, e hoje está sob uma nova realidade.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.