Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Um dos objetivos do programa é acelerar o exame dos pedidos de patentes voltadas para o meio ambiente

O Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) concedeu a participação no Programa Patentes Verdes à patente referente ao “Processo de produção e inoculação de fungos micorrízicos arbusculares”. O processo foi desenvolvido por professores do departamento de Microbiologia da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

 “O produto em questão é um inoculante à base de fungo micorrízico arbusculares, que tem como função transferir fósforo para as plantas”, explica Galdino, um dos inventores. Com esse inoculante, as plantas crescem mais rapidamente e ganham resistência contra estresses ambientais, pragas e doenças. Esses efeitos possibilitam a redução da quantidade de fertilizantes químicos aplicados nas lavouras e, consequentemente, diminuem o custo de produção.

Desde 2016, os pedidos de patentes que, em média, são analisados em dez anos pelo INPI, podem ter o tempo de exame reduzido em até 90% - desde que sejam voltadas para o meio ambiente. Isso porque o Instituto passou a oferecer o exame prioritário de patentes relacionadas a tecnologias verdes como serviço naquele ano. Acelerar esse exame visa à inserção mais rápida das tecnologias verdes na sociedade.

O professor acredita que o produto criado na UEL foi aprovado justamente por ter um impacto direto na produção agrícola do país. “Esse é um produto biológico e renovável que contribui diretamente para as mudanças climáticas globais, diminuindo a quantidade de fertilizante químico e da queima de combustível fóssil”, explica.

O papel da Aintec

“Para solicitar o exame de um pedido de patente como Patente Verde, é necessário que o pedido em questão ainda não tenha passado pelo exame técnico do INPI e que ele tenha no máximo 15 reivindicações”, explica Isabela Guedes, coordenadora do Escritório de Propriedade Intelectual (EPI) da Aintec.

Também é necessário que a tecnologia contida na patente faça parte de um dos grupos listados pelo INPI, que são: energias alternativas, transportes, conservação de energia, gerenciamento de resíduos e agricultura sustentável. “Depois de feita essa solicitação, por meio de um peticionamento online, o INPI analisa o pedido e publica sua decisão na Revista da Propriedade Industrial. Todo esse processo de solicitação é feito pela Aintec”, continua Isabela.

 A UEL se beneficia nesse processo por ser uma instituição de ensino que está contribuindo, por meio de uma patente verde, para o melhoramento das mudanças climáticas globais. No caso desse pedido em questão, será a primeira patente verde da Universidade. “Agora, a Aintec irá acompanhar o exame deste pedido com o objetivo de entender como funciona essa agilidade e também continuaremos mapeamento os outros pedidos de patente da UEL de modo a identificar se é possível o requerimento de exame prioritário no Programa Patentes Verdes em outros casos”, esclarece a coordenadora do EPI.

Para o professor responsável pela criação, a Aintec foi fundamental em todo o processo. “Sem o apoio e o conhecimento técnico da Agência, nossa equipe jamais teria conseguido adequar todos os documentos para essa conquista”, conclui Galdino.

Mariana Paschoal/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.