Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Crea-PR fiscaliza planos de arborização de cidades para evitar problemas com acessibilidade, limpeza das vias e galerias pluviais, por exemplo

O plantio de árvores inadequadas em um município pode gerar diversos problemas principalmente com relação à infraestrutura. No quesito acessibilidade, os galhos e as raízes podem formar obstáculos e os troncos podem limitar a faixa de livre passeio. As raízes também podem danificar calçadas e ruas e interferir em linhas de distribuição de energia elétrica quando são muito altas. Além disso, plantar uma árvore sem planejamento também pode gerar danos à limpeza das vias e às galerias pluviais, já que as raízes podem danificar os tubos.

É por isso que o Crea-PR (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná) fiscaliza os planos de arborização elaborados pelos municípios. O intuito é saber se esse planejamento está sendo feito por quem realmente é habilitado ao serviço. São autorizados a elaborar sozinhos um plano de arborização engenheiros agrônomos e engenheiros florestais. Engenheiros agrícolas, civis ou ambientais, por exemplo, não podem fazer esse trabalho sem uma consulta técnica.

O Ministério Público do Paraná possui um Comitê Interinstitucional, que analisa os Planos Municipais de Arborização de todo o Estado, orienta os municípios sobre eventuais adequações e encaminha os documentos para fiscalização do Conselho. O Crea-PR tem um representante nesse comitê. E o repasse dos planos de arborização é feito por meio de convênio.

 “Temos um convênio com o Ministério Público e vários outros órgãos e, juntos, analisamos os planos que são elaborados pelos municípios, considerando a parte técnica. É verificado se o conteúdo do plano está adequado e o Crea fiscaliza atribuições. São apenas alguns profissionais que têm habilitação para fazer o trabalho. Fiscalizamos o exercício legal da profissão, a falta de ART, entre outros. Estamos fazendo a terceira ação de fiscalização a pedido do Ministério Público”, relata a gerente do Defis (Departamento de Fiscalização) do Crea-PR, Mariana Maranhão.

Nesse cronograma, ainda de acordo com Mariana, os planos vão muito além do plantio de uma árvore. “Esse planejamento é um documento que especifica as diretrizes para gestão de árvores e é necessário para implantação de espécies mais adequadas para perímetro urbano. Enquanto Crea, portanto, verificamos a participação dos profissionais envolvidos e averiguamos suas atribuições", completa Mariana.

A elaboração de um plano municipal de arborização costuma ser demorada. Em alguns casos, leva anos. E por isso não é raro haver uma troca dos profissionais responsáveis. “Também é comum que o documento esteja identificado com uma gama de pessoas envolvidas na gestão municipal e nem sempre consta, claramente, a identificação do responsável técnico. Por isso, não se pode fiscalizar só com o documento. É obrigatório entrar em contato com o município ou a empresa contratada para fazer o plano, para confirmar quem participou tecnicamente da elaboração”, finaliza.

Asimp/Crea-PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.