Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

"Tratamento de lixiviado de aterro sanitário por reagente de Fenton". Este projeto de pesquisa do Departamento de Construção Civil do Centro de Tecnologia e Urbanismo (CTU), da Universidade Estadual de Londrina, busca melhorar o tratamento do efluente, mais conhecido como chorume, para reduzir os riscos ambientais. O lixiviado de aterro tem alta concentração de matéria orgânica, de nitrogênio e de nitrogênio amoniacal, considerados altamente poluentes. O nitrogênio amoniacal, por exemplo, tem propriedades corrosivas.

O projeto é coordenado pela professora Deize Dias Lopes, que pesquisa o tratamento de chorume desde 2004 e participa, há quase 20 anos, do monitoramento de aterros em Londrina e região. O projeto tem também a participação do professor Caio Victor Lourenço Rodrigues, que pesquisou o chorume em seu Mestrado em 2011. "Já conseguimos bons resultados, ajustando o PH, o que é importante para um tratamento em larga escala", afirma Caio Rodrigues, que é doutorando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil do CTU.

O reagente de Fenton é uma fórmula de peróxido de hidrogênio e um catalisador de ferro, usada para oxidar impurezas ou águas residuais. O fenton também é usado para destruir compostos orgânicos, principalmente, o tricloroetileno e o percloroetileno. O reagente já é aplicado no lixiviado de aterro sanitário, em processo físico-químico, na remoção de matéria orgânica resistente. "A gente entende que é viável porque é um reagente de baixo custo, indicado para tratamento em larga escala", afirma o professor.

Caio explica que o reagente de fenton no tratamento de lixiviado de aterro é eficiente, mas apresenta um importante efeito colateral: a geração de grande quantidade de lodo. Por isso, os pesquisadores da UEL estão debruçados sobre o desafio de reduzir o lodo quando do tratamento do líquido. "Quanto menos lodo o tratamento gerar, melhor vai ser a operação no aterro sanitário", afirma o professor, cujo projeto conta com a participação de estudantes de iniciação científica (IC), de mestrado e de doutorado. "O tratamento do lodo não é barato. É um processo caro", acrescenta.

O professor explica que suas pesquisas conseguiram reduzir a matéria orgânica do lixiviado de aterro em até 90%, mas esse processo gerou muito lodo. "Uma tendência que estamos verificando é trabalhar com a combinação de vários processos. Pode ser que tenhamos redução da eficiência [taxa de eliminação da matéria orgânica], mas podemos com isso baixar a quantidade de lodo", explica. As possibilidades de combinação do fenton no lixiviado serão testadas ao longo deste ano.

A professora Deize Dias Lopes diz que a quantidade de lixiviado produzido por um aterro sanitário varia por diversos fatores. "Diferentemente de uma indústria, em um aterro sanitário o lixiviado varia muito em vazão conforme a época do ano e a quantidade de chuva, o local onde está instalado e a operação", diz a professora. Cada cidade produz um chorume diferente, conforme o tipo de material destinado ao aterro.

Deize Dias Lopes ressalta que a mão de obra para operar um sistema de tratamento de lixiviado é deficiente, porque se trata de um processo especializado, exigindo conhecimento e domínio de técnicas. Além disso, o líquido produzido em um aterro nem sempre é tratado no local e a produção é encaminhada para outro lugar que realiza esse processo. Isso também encarece o tratamento.

O gerente de Resíduos, Gilmar Domingues, da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), informa que terminou, em novembro passado, o contrato com a empresa de Maringá que realizava o tratamento do chorume produzido no aterro sanitário de Londrina. Em nova licitação, venceu a empresa Akavatec, que deve, segundo ele, usar uma técnica que vai baratear o custo do tratamento do chorume. "É uma empresa consorciada com a Kurica Ambiental", anota.

MODELO IDEAL

Para os professores Caio Rodrigues e Deize Dias Lopes, na destinação de resíduos sólidos, o ideal seria um modelo no qual haveria 100% de reciclagem de material descartável e realização de compostagem de material orgânico com aproveitamento energético. Assim, os aterros receberiam apenas rejeitos. Nesse modelo, a produção de lixiviado seria bem pequena, já que os materiais orgânicos e recicláveis interferem na produção do líquido.

Esse modelo está longe de ser alcançado quando se consideram os números de destinação dos resíduos sólidos no Brasil. De acordo com o estudo "A organização coletiva de catadores de material reciclável no Brasil: dilemas e potencialidades sob a ótica da economia solidária", o país produz cerca de 160 mil toneladas por dia. Desse valor, entre 30% e 40% podem ser reaproveitados e reciclados. O estudo é de 2017 e foi publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

No entanto, apenas 13% do total que pode ser reaproveitado e reciclado acaba tendo essa destinação. "(...) os benefícios econômicos auferidos com o setor poderiam ser, no mínimo, seis vezes maiores com relação ao que se tem registrado atualmente", pontua o estudo do IPEA, assinado por Sandro Pereira Silva, técnico da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (DISOC) do instituto.

LEGISLAÇÃO

A pesquisa do Departamento de Construção Civil do CCA torna-se ainda mais importante, considerando que tramita na Câmara dos Deputados, em Brasília, um projeto de lei, apresentado no começo de 2019, que torna obrigatório o tratamento de lixiviado de aterro. O projeto, se aprovado, prevê como punições as sanções estabelecidas na lei nº 9.605, de fevereiro de 1998, que trata de crimes ambientais.

Entre as punições estão desde a prestação de serviços à comunidade até pagamento de multa, suspensão da atividade que originou o problema ambiental e prisão. A lei 12.305, de agosto de 2010, institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, mas não aborda especificamente o tratamento de lixiviado de aterro.

O gerente de Resíduos, Gilmar Domingues, da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) de Londrina, lembra que o tratamento do chorume - mesmo não estando fixado em lei federal - é determinado por resoluções de órgãos que atuam na proteção do meio ambiente, como o Conselho Nacional do Meio Ambiente e Conselho Estadual do Meio Ambiente do Paraná. "Os contratos realizados pela CMTU preveem o tratamento do chorume conforme as resoluções desses órgãos", afirma.

Agência UEL

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.