Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado Luiz Eduardo Cheida (PMDB) quer reduzir a pulverização de agrotóxicos no Paraná. Um projeto de lei de sua autoria, que tramita há quase dois anos na Assembleia Legislativa, determina a inspeção anual dos pulverizadores nas culturas agrícolas. A proposta já passou pela análise de centenas de profissionais em audiências públicas promovidas em várias regiões do estado. Na última quarta-feira (7), Cheida recebeu representantes do Crea, da Federação dos Agrônomos do Paraná e da Universidade Estadual do Norte do Paraná para discutir o projeto. “Nós apoiamos a ideia. Viemos trazer contribuições para enriquecê-la”, disse o presidente da Federação dos Agrônomos do Paraná, Luiz Lucchesi. “As sugestões são bem-vindas. Desta forma, podemos aprimorar ainda mais a nossa proposta”, afirmou Cheida. Os deputados Rasca Rodrigues (PV) e César Silvestre Filho (PPS) também participaram da reunião.

O projeto de lei foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça e ainda passará pela Comissão de Ecologia e Meio Ambiente, pela Comissão de Agricultura e pela Comissão de Saúde. Cheida acredita que há um grande debate pela frente. “Embora já tenhamos realizado audiências públicas em várias cidades, consultado engenheiros agrônomos e representantes de sindicatos rurais, a expectativa é que as discussões na Assembleia Legislativa também sejam bastante ricas”. Estão previstas reuniões com os deputados que compõem as comissões que analisarão a proposta, Crea, Federação dos Agrônomos, Secretaria de Agricultura e universidades. O objetivo é reunir sugestões para possíveis adaptações no projeto.
Projeto

Segundo o IBGE, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo: 56% das culturas nacionais são afetadas pelo uso inadequado de defensivos agrícolas. A primeira vítima dos produtos químicos é o próprio lavrador, que muitas vezes manuseia equipamentos inadequados ou mal conservados. A Inspeção Periódica dos Pulverizadores sugere que a verificação seja realizada por empresas especializadas credenciadas junto à Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab) e ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), que observarão 15 itens dos pulverizadores. A fiscalização ficará a cargo do IAP, que notificará advertência se constatadas  irregularidades. “O intuito é garantir saúde para o consumidor e economia para o agricultor”, destaca Cheida, que é médico e presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente do Legislativo.

(Asimp/ALP)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.