Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A implementação do projeto Ecometrópole, um sistema de gestão compartilhada dos serviços da cidade, baseado em conceitos científicos e tendo as nascentes e mananciais como ponto de partida, foi apresentada pelo ambientalista João Batista Moreira Souza, conhecido como João das Águas, aos integrantes do Observatório Ambiental de Arapongas (OAA). Ele informou que o projeto foge da ideia de concentrar ações ambientais isoladas, buscando um plano de trabalho mais abrangente, a partir da mobilização comunitária e com o envolvimento do poder público, das entidades privadas e da sociedade. A proposta prevê a divisão da cidade em setores administrativos, tendo um coordenador para cada região, conhecido como professor de cidades, com o auxílio de diversos comitês. “O projeto já foi apresentado para Londrina, mas ele pode e deve ter uma abrangência regional, pois temos um monte de água nesses municípios e podemos fazer uma gestão pelas águas”, afirma o ambientalista.

Para ele, um projeto regional também tem um peso maior no âmbito estadual, nacional e mesmo internacional, facilitando o uso de recursos materiais e humanos, a mobilização e o aporte de verbas. No caso de Londrina, o Ecometrópole é uma evolução do Programa Rio da Minha Rua, desenvolvido inicialmente em 2003 e lançado dois anos depois. O projeto pretende dividir a cidade em quatro agências de desenvolvimento, com 40 ecounidades e 400 regiões para gerenciamento, levando em conta as bacias presentes na Região Metropolitana de Londrina. “Arapongas também é uma cidade cercada por nascentes, como a do Apertados e do Bandeirante do Norte, entre outras. O município também tem bons motivos para pensar num modelo de gestão a partir das águas”, acrescenta o ambientalista.

João das Águas frisa que cada comitê passa a cuidar de sua área de forma global, levando em conta o aspecto ambiental, de saúde, de segurança, de limpeza pública etc. Para que o projeto funcione plenamente, ele também defende mudanças no Código de Posturas do Município e a criação de uma Política Municipal do Voluntariado, seguindo modelos já em vigência no Japão e em países europeus. “Esta política permite o estímulo e o reconhecimento social às pessoas que se dedicam ao voluntariado. Esse esforço voluntário também é muito importante para o modelo de cidades sustentáveis”, acrescenta o ambientalista. Os diretores do OAA anunciaram que vão fazer outras reuniões para conhecer a proposta com mais detalhes. “Nós solicitamos a ele que nos encaminhe o projeto por escrito e que volte para uma nova reunião a fim de esclarecermos eventuais dúvidas”, afirmou a presidente do OAA, advogada Sandra Gasparotti.

Vanderlei de Souza/souza@onda.com.br

 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.