Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No último dia 27 de abril, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou Proposta de Emenda Constitucional (PRC), de n. 65/2012, que modifica a legislação ambiental. Agora a proposta será encaminhada ao plenário para deliberação.

A proposta é um texto simples em seu enunciado afirmando que o artigo 225 da Constituição passa a vigorar acrescido do seguinte parágrafo 7º. “A apresentação do estudo prévio de impacto ambiental importa autorização para a execução da obra, que não poderá ser suspensa ou cancelada pelas mesmas razões a não ser em face de fato superveniente”.

Na realidade sua simplicidade oculta uma grave agressão à legislação ambiental, pois torna irrelevante a exigência de licenciamento ambiental para obras. A partir da apresentação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA), nenhuma obra – pública ou privada – objeto de licenciamento ambiental poderá ser interrompida.

O licenciamento ambiental é um dos pilares da legislação ambiental brasileira. Qualquer obra para estabelecer sua viabilidade deve apresentar o EIA e cumprir os três passos do licenciamento ambiental. Primeiramente solicitar a licença prévia ambiental e somente após a aprovação desta se pede a licença de instalação, que permitirá que se inicie o empreendimento. Na última etapa, caso sejam cumpridos os ajustes indicados pelo órgão ambiental, é fornecida a licença de operação que autoriza o funcionamento do empreendimento. A PEC 65, na prática, ignora essas fases do licenciamento.

Aproveitando-se do atual momento de crise que vive o país, os defensores da PEC se aproveitam do caos político institucional para, discretamente, acelerarem a tramitação da proposta. Tendo sido apresentada em 2012, foi somente no final de 2015 que voltou a tramitar com rapidez.

Caso seja aprovada, a medida impedirá a análise de todo processo de licenciamento com a consequente dificuldade na identificação dos impactos negativos dos empreendimentos tanto nos níveis federal quanto estadual.

Um dos principais argumentos dos defensores da PEC é que a proposta garante maior agilidade e consequente economia de recursos em obras sujeitas ao licenciamento ambiental. Ocorre que a solução do problema de maior celeridade não está na eliminação de mecanismos que garantem uma relação mais sustentável entre economia e meio ambiente, mas em tornar mais eficaz e eficiente a máquina pública. O problema está na melhoria da gestão pública ambiental com foco na melhor articulação entre o econômico, o social e o ambiental.

A legislação é cautelosa, como deve ser, pois envolve a liberação da instalação de empreendimentos em locais que certamente serão afetados pela obra, tanto do ponto de vista social quanto ambiental. Os processos naturais que formaram e mantém o ecossistema local que será afetado ocorreram durante muitos anos. Em alguns casos contam-se aos milhares ou milhões de anos para se consolidar e entrar em equilíbrio, que pode ser alterado bruscamente pela intervenção humana. Desse modo toda cautela é pouca.

O processo de licenciamento, na maioria dos casos não é lento, é cauteloso, pois a avaliação de impacto ambiental envolve inúmeras variáveis e profissionais de diversas áreas que devem sugerir medidas mitigadoras para diminuir os efeitos da obra sobre o meio ambiente.

O cenário futuro numa eventual aprovação da PEC 65/2012 é de aumento da agressão aos ecossistemas mais sensíveis, aumento do desmatamento, destruição de habitats, deslocamento de populações que dependem diretamente de recursos naturais e que se encontram no entorno do empreendimento entre outros prejuízos e retrocessos.

Esse quadro indica a necessidade da sociedade se mobilizar para barrar o avanço da PEC 65/2012 no Senado. Lembremos do famoso poema que começa assim: “Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada”.  E continua o poeta mostrando que temos que barrar ideias retrógradas em seu início. Nesse caso, vamos impedir que a proposta prospere. Nenhuma flor será roubada.

Reinaldo Dias é professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, campus Campinas. É Doutor em Ciências Sociais, Mestre em Ciência Política pela Unicamp. É especialista em Ciências Ambientais.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.