Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para melhorar a qualidade da produção e da irrigação de flores e mudas de árvores, os servidores da Secretaria Municipal de Ambiente (Sema) estão finalizando a instalação do primeiro poço artesiano do Viveiro Municipal Maria Cristina Ferraz Bonato, na antiga Fazenda Refúgio.

Na tarde de ontem (25), a empresa responsável pela perfuração dos 198 metros de profundidade do poço realiza os testes de vazão de água. A expectativa é garantir um volume de 5 a 7 mil litros de água por hora. Após a aprovação dos resultados pelos técnicos da Sema, será instalada uma bomba para que a água chegue até a superfície para irrigar o cultivo. A expectativa é que em três dias o poço esteja pronto para o uso.

Além do poço, os técnicos estão trabalhando na reforma das duas primeiras estufas do viveiro. Nelas serão cultivadas até 36 mil mudas de flores tais como petúnia, sálvia vermelha, tagetes e beijinho americano. Já foi reformada e alinhada toda a estrutura de aço galvanizado que suporta a estrutura, totalizando 3.120 metros quadrados. Além disso, uma nova cobertura com filme plástico, próprio para o cultivo de mudas, está em instalação nos dois espaços que medem 40 metros de comprimento e 6,5 de largura cada um, esta etapa tem previsão de término até o início da próxima semana.

Assim que finalizada a instalação da nova cobertura, será iniciada a implantação do sistema de refrigeração e resfriamento do local. Esta é a primeira vez em que as estufas receberão um sistema automatizado, que não depende da força humana para seu funcionamento, durante todos os dias da semana, inclusive em feriados. Serão colocados exautores para retirar o ar quente da estufa e dois refrigeradores com argila, com 3 metros de altura e 1 de largura, para o resfriamento do ar. Esse sistema estará pronto até o final da próxima semana.

Com essas mudanças, os funcionários do Viveiro Municipal esperam garantir melhora na produção, tanto de flores quanto de mudas de árvores. “Tendo um ambiente controlado, podemos monitorar a produção por meio do planejamento adequado, além de atendermos a demanda dentro do prazo programado. Isso não é possível se não houver um sistema como este, porque dependendo das mudanças climáticas, às vezes chove muito e outras pouco, o que pode danificar a produção, principalmente dos cultivos mais sensíveis, como as flores”, explicou o engenheiro agrônomo e Diretor Operacional da Sema, Paulo Roberto Guilherme.

Além das duas estufas de flores, outras oito que produzem as mudas de árvores para arborização urbana e nativas também serão reformadas. Os serviços nestas iniciam em duas semanas. Os oito módulos de 50 metros de comprimento e 6,5 de largura vão receber as mesmas benfeitorias citadas acima. As 10 estufas devem estar prontas, com alinhamento do aço galvanizado, colocação da nova cobertura e instalação do sistema de irrigação e refrigeração, até o final de fevereiro deste ano.

Outros serviços - Em paralelo a esses serviços, os servidores estão trabalhando no cercamento do viveiro, totalizando 20 mil metros quadrados.  E a reforma contempla ainda a instalação de um sistema de segurança com câmeras interligadas à central da Guarda Municipal além de dois contêineres modificados para instalações sanitárias acessíveis, feminino e masculino, para proporcionar comodidade, conforto e bem estar aos usuários, funcionários e visitantes.

A reforma geral deve levar cerca de dois meses e custará R$ 250 mil, advindos de contrapartida pelos impactos gerados por uma instituição de ensino superior de Londrina, aferidos no Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV). Toda a mão de obra necessária para os trabalhos é da Prefeitura de Londrina. Hoje, o Viveiro conta com seis servidores e três estagiários.

N.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios