Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Iniciativa integra o projeto Bosque da Vida que, em uma das frentes, realiza ações de compensação de CO2 emitido pela operadora de planos de saúde

Para compensar a emissão de CO2 de 2018, a Unimed Londrina irá plantar 1,2 mil mudas de árvores nativas pelo projeto Bosque da Vida em 2019. Um plantio simbólico está programado para essa sexta-feira, dia 13. Será no condomínio Ecovillas do Lago (PR-323, Sertanópolis, região Norte do Paraná), a partir das 8h30. A iniciativa está em sua 11ª edição e tem como objetivo contribuir para amenizar as causas do efeito estufa.

Por meio da calculadora de CO2, mecanismo desenvolvido pela Unimed do Brasil, a cooperativa mensura quantas árvores serão necessárias para compensar a emissão do gás que, em grande quantidade, potencializa o efeito estufa. "As atividades recorrentes à nossa rotina, como utilização da frota, viagens de avião, geração de resíduos, uso do ar-condicionado e energia elétrica, por exemplo, são contabilizados e informados para que a calculadora emita um laudo definindo a quantidade de árvores necessárias para a compensação", explica a gerente de Sustentabilidade da Unimed Londrina, Fabianne Piojetti.

As mudas serão cedidas pelo IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e plantadas no Ecovillas do Lago.

Em 2019, a iniciativa completou 11 anos. De lá para cá, mais de 12 mil mudas foram plantadas.

Projeto Bosque da Vida

Organizado pela área de Sustentabilidade da Unimed Londrina, o projeto conta com duas frentes. Uma é a entrega de árvores frutíferas aos pais que levam seus filhos para realizarem o Teste da Orelhinha na Clínica de Vacinas da cooperativa. A outra é o plantio de mudas nativas para compensação de CO2 emitido pela Cooperativa durante o ano.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios