Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) voltou a defender na segunda-feira (15), durante sessão plenária da Assembleia Legislativa do Paraná, a ampliação do benefício fiscal de ICMS às empresas da área de tecnologia instaladas em mais três cidades, além de Pato Branco - que já abriga um polo tecnológico, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão e Dois Vizinhos.

O Governo do Estado pediu a retirada do projeto de lei, apresentado na sessão de abertura dos trabalhos legislativos em 2021, que estende o benefício a empresas dos setores de informática, telecomunicações e eletroeletrônicos instaladas em Cornélio Procópio e em mais três cidades paranaenses.

 “É importante que outras cidades também sejam beneficiadas com esse incentivo, que vai contribuir para a geração de emprego e facilitar a instalação de empresas de tecnologia em outras regiões do Estado”, disse.

A proposta apresentada no começo do mês garante as mesmas condições a empresas que trabalham na área em Cornélio Procópio, Londrina, Campo Mourão e Guarapuava, que possuem campus da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná).

Com a aprovação da matéria, diz Romanelli, outros municípios paranaenses também terão diferimento fiscal no ICMS. “O Paraná precisa ampliar o rol de municípios aptos a atraírem empresas de tecnologia e fabricação de produtos eletrônicos, de telecomunicação e de informática com os benefícios fiscais extensivos a outras cidades. É dessa forma que o Paraná vai se destacar no circuito tecnológico nacional”, avalia o deputado.

Apoio

O presidente do Legislativo, deputado Ademar Traiano (PSDB), e o deputado Tiago Amaral (PSB) também apoiaram a defesa de Romanelli, em favor dos municípios paranaenses. Traiano informou que, a pedido da Casa Civil, o projeto de lei foi retirado, com a alegação inicial de que, da forma como está, Pato Branco, que é o maior beneficiado atualmente, seria prejudicado. Para Traiano, as empresas que já contam com o diferimento fiscal, não têm motivo para se transferir a outros centros, que também serão beneficiados.

Já o deputado Tiago Amaral defendeu que, com o benefício estendido a todo o Estado, o Paraná poderá ser incluído em pouco tempo no circuito da indústria tecnológica. Ele citou o exemplo de Londrina, considerada a cidade onde há maior número de empresas inovadoras na criação de startups. “Empresas de outras regiões do Paraná, que disponibilizam essa tecnologia, vão ajudar no fortalecimento das já existentes, ampliando o ciclo industrial tecnológico do Estado”, avalia.

Para Romanelli, ao ampliar o benefício a todas as cidades, o Paraná estimula a implantação de espaços para a criação e desenvolvimento de tecnologia, que concentrem recursos humanos, laboratórios e equipamentos e incentivem a formação de processos, produtos e serviços industriais que destaquem o Estado em todo o país.

A matéria garante recolhimento diferido de ICMS correspondente à importação de componentes, partes e peças para fabricação de produtos de informática, eletroeletrônicos e de telecomunicações recebidas do exterior. Com isso, fica concedido crédito fiscal de ICMS correspondente a 80% do valor do imposto destacado na venda destes produtos, quando da operação de saída resultante da industrialização.

Para utilizar o benefício, as empresas devem, obrigatoriamente, incorporar “softwares” produzidos e/ou desenvolvidos em território brasileiro, preferencialmente em incubadoras, e os municípios no entorno dos campi da UTFPR têm condições suficientes de produzir e desenvolver equipamentos tecnológicos e softwares que podem ser utilizados em larga escala no Brasil. “É uma proposta para inserir o Paraná no circuito tecnológico nacional, garantindo as mesmas condições de competitividade dos demais estados”, disse Romanelli.

ALEP

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.