Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Um momento de muita emoção marcou a sessão plenária remota de ontem (01). Os deputados estaduais e os servidores que trabalham no plenário fizeram um minuto de silêncio em homenagem aos quase 30 mil brasileiros que perderam a vida em decorrência do novo coronavírus.

Antes de iniciar a votação dos projetos em pauta, o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSDB), solicitou a atenção de todos para fazer a leitura de um texto escrito pelo deputado Tercílio Turini (CDN). Médico, Turini retratou em palavras o medo e a dor que todos convivem diariamente no enfrentamento do coronavírus. “Pela sensibilidade e até pela sua profissão, ele pediu que eu fizesse a leitura desse texto em função desse momento doloroso. Façamos um minuto de silêncio pela morte de brasileiros e paranaenses que tiveram sua vida ceifada pelo coronavírus”.    

“São 30 mil mortos, cada um tinha sua história. A partida, a ausência, a saudade corroem o coração de quem nunca mais poderá abraçar, tocar, conversar, ter ao seu lado essa pessoa querida, vitimada pelo coronavírus. Com todo respeito aos que não mais estão entre nós, em todo o Brasil. Com sentimento de pesar. E num gesto de condolências aos familiares, o minuto de silêncio é uma homenagem da Assembleia Legislativa do Paraná”, afirma Turini.

O último informe epidemiológicos da Secretaria de Estado da Saúde confirma 4.687 casos no Paraná com 182 óbitos. No Brasil, 514.849 pessoas contraíram a doença e 29.314 morreram.

Confira a íntegra do texto

“Vivemos um momento de profunda tristeza no Brasil com a maior tragédia de sua história recente: já são 30 mil mortes na pandemia de coronavírus. Esses são os dados oficiais, mas na realidade é possível que a quantidade de brasileiros vitimados pela Covid 19 seja muito maior.

E o que mais preocupa e amedronta é que vivemos uma ameaça diária, sem saber o que vai acontecer amanhã, daqui uma semana, no próximo mês. Mais gente vai morrer, infelizmente. Isso é muito triste.

Quando celebramos a virada do ano, cheios de esperança e motivados pela chegada de 2020, jamais imaginávamos que poucos meses depois estaríamos enfrentando tamanha batalha.

Choramos perdas de pessoas próximas ou mesmo por aquelas que não conhecemos. O sofrimento de um paciente com falta de ar, lutando para sobreviver, é muito doloroso. Depois, a dor da morte para os familiares, só consegue descrever quem passa por essa situação desoladora.

São 30 mil pessoas que tiveram a vida abreviada:

* idosos que ainda tinham muito a nos ensinar,

* adultos com muito a contribuir e que deixam um vazio na família,

* jovens com todos os sonhos e planos interrompidos,

* e até crianças que nem desfrutaram da beleza da infância”.

Asimp/Alep

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios