Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

“Depois de 24 anos, o Paraná tem oportunidade de fazer um contrato satisfatório para a população: pedágio caro nunca mais! Lutamos pelo menor preço de tarifa, sem a cobrança de taxa de outorga, sem limite de desconto e com a garantia da execução das obras nos primeiros anos dos contratos”, voltou a afirmar o deputado estadual Cobra Repórter (PSD), vice-líder do Governo, na terça-feira (04).

O deputado ressalta que não aceita este modelo de pedágio proposto e que espera por mais obras e um preço justo. “É um absurdo pagar R$ 26,40 em uma praça de pedágio. Vou além… é um roubo que atrapalha a vida de quem mora no Norte Pioneiro por exemplo”, disse ele.

O deputado Cobra Repórter acompanhou as audiências da Frente Parlamentar sobre o Pedágio da Assembleia Legislativa, é contra o chamado modelo híbrido que o Governo Federal quer impor ao Paraná e lembra que assinou o manifesto de alerta ao Ministério da Infraestrutura e Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) sobre as futuras concessões.

O modelo proposto pelo Governo Federal prevê um investimento de R$ 42 bilhões nos 30 anos de concessão. Serão implementadas 42 duas praças de pedágio divididas em seis lotes, em uma extensão de mais de 3,3 mil quilômetros de rodovias pedagiadas, entre vias federais e estaduais. Com a nova modelagem, estão previstas 15 novas praças de pedágio, sendo quatro no Oeste, três no Sudoeste, três no Noroeste, duas no Norte e três no Norte Pioneiro. Quatro das dez praças de pedágio mais caras do Brasil estão no Paraná.

Além disso, muitas obras previstas até o final do atual contrato não foram realizadas ou foram suprimidas, como duplicações de rodovias e construção de trevos e contornos.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.